O tema foi discutido esta semana na apresentação dos resultados trimestrais da Netflix, com a plataforma de Streaming a adiantar que o travão à partilha de passwords vai ser feito em modo “consumer friendly”.
De acordo com a empresa de estudos de mercado Magid, 35 por cento dos millennials (início anos 80 até final década de 90) partilham as suas passwords dos serviços de streaming, contra 19 por cento dos adultos da geração X (finais anos 60 até finais anos 70) e 13 por cento dos chamados “baby boomers” (meados dos anos 40 até meados dos anos 60). No total, a Magid estima que nove por cento dos utilizadores partilhem as passwords. A percentagem pode não parecer elevada, mas corresponde a milhões de dólares em perdas de potenciais clientes.
A Netflix anunciou esta semana que está atenta ao problema. Interrogado sobre a plataforma tenciona lidar com a partilha de passwords sem perder parte dos utilizadores, Greg Peters, chief product officer da empresa respondeu que estão a “monitorar a situação”.
Partilhar a password equivale a partilhar uma conta Neftlix, que, por seu lado, pretende que cada casa tenha a sua própria conta, podendo estabelecer vários perfis dentro da mesma. Actualmente, o número de dispostivos abrangidos por uma conta são limitados, mas não há controlo.