O público que acompanhou a conferência da Apple esta semana soube da existência dos smartphones iPhone 6S e 6S Plus, além do iPad Pro, mas a empresa também revelou no evento a tão esperada próxima geração do dispositivo Apple TV.
Depois de muitos rumores e um certo atraso por parte da marca em actualizar radicalmente o produto, chegou a hora de conhecer a nova versão.A nova e quarta geração da Apple TV combina hardware poderoso com um sistema operacional moderno, uma nova experiência de usuário e ferramentas poderosas de desenvolvimento, sem contar com uma App Store própria para
personalização do usuário.
A própria Apple define o produto desde o início como “uma caixa pequena” que permite o acesso a conteúdos variados em alta definição. Filmes e músicas são liberados por meio da conexão com serviços liberados por assinatura (como Netflix) ou sem custos (YouTube). É possível ainda fazer a conexão remota de outros dispositivos iOS com a Apple TV por meio do AirPlay, permitindo espelhamento e o uso de recursos em segunda tela. Tim Cook fala em “era de ouro da televisão”, mas diz que a experiência em si não mudou muito em décadas, enquanto o mobile experimentou uma série de alterações e é aí que entra a visão da Apple, que acredita que o
futuro da TV está em apps.
A Microsoft é uma das empresas que já se prepara para a investida da Apple no mundo dos games para dispositivos móveis: os esforços da marca estão na integração do Windows 10 com o Xbox One, inclusive com a funcionalidade do streaming de “mão dupla”.
Por isso, outra novidade é a disponibilização de um SDK (kit de desenvolvimento) para criadores de apps e serviços interessados em ferramentas próprias e optimizadas para a Apple TV. Isso também significa a chegada de uma App Store própria, com jogos e programas. A App Store parece-se bastante com as lojas digitais de outras plataformas da Apple.