A jovem militante paquistanesa Malala Yousafzai, que defende o direito das mulheres à educação foi galardoada com o prémio Sakharov, atribuído pelo Parlamento Europeu (PE), recentemente anunciado. A escolha foi feita por unanimidade pelos líderes dos grupos políticos do PE.

A adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, que sobreviveu a uma tentativa de assassinato dos talibãs há um ano, foi também recebida pelo Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sua esposa, Michelle, e sua filha de 15 anos, Malia.
Segundo a Casa Branca, Obama recebeu Malala no Salão Oval “para lhe agradecer pelo seu trabalho inspirador em nome da educação das mulheres no Paquistão”. “Os Estados Unidos unem-se ao povo paquistanês e a tantos outros no mundo para celebrar a coragem de Malala e a sua determinação em promover o direito de todas as jovens irem à escola e realizar os seus sonhos. Damos as boas-vindas aos esforços de Malala para ajudar a realizar esses sonhos”, informou uma nota divulgada pela Casa Branca.

Malala, que era uma das apostas para o prémio Nobel da Paz deste ano, foi ferida na cabeça por um disparo num ataque dos talibãs em represália pelas suas campanhas em favor da educação no Vale do Swat, no Noroeste do Paquistão.Esse atentado levou-a ao exílio e a aumentar o alcance das suas campanhas a favor da educação feminina, que a transformaram numa activista popular e mediática. A adolescente, com apenas 16 anos, já escreveu a sua autobiografia “Eu sou Malala” e criou uma fundação, o Fundo Malala.

Na sede do Banco Mundial (BM), em Washington, Malala foi ovacionada por centenas de pessoas num evento para celebrar o dia internacional das meninas.Em debate público com o presidente do BM, Jim Yong Kim, Malala garantiu que “com os nossos livros e lápis podemos alcançar todos os nossos objectivos”. “Acabar uma guerra fazendo outra guerra não vai trazer a paz. O dinheiro gasto em tanques, em armas e soldados deve ser gasto em livros, lápis, escolas e professores”, afirmou a jovem.

Biografia de Malala
Nasceu em Mingora, Swat, Jaiber Pastunjuá, Paquistão. O seu pai é Ziauddin Yousafzai e tem dois irmãos. Fala pachto e inglês e é conhecida pelo seu activismo a favor dos direitos civis, especialmente os das mulheres do vale do rio Swat, onde talibãs proibiram a frequência escolar de meninas. Aos 13 anos, Yousafzai alcançou notoriedade ao escrever um blog para a BBC assinando Gul Makai, explicando a sua vida sob o regime do Tehrik-i-Taliban Pakistan (TTP) e as tentativas de recuperar o controlo do vale após a ocupação militar que os obrigou a ir para as áreas rurais. Os talibãs forçaram o encerramento de escolas particulares e proibiram a educação de meninas entre 2003 e 2009. Em 9 de Outubro de 2012, foi atacada por um miliciano do TTP em Mingora, baleada no crânio e teve de ser operada.