O responsável apresentou esta disponibilidade na abertura da 2ª reunião de peritos da FPMA que decorreu em Angola, na qual abordou ainda a importância de se classificar também outros locais históricos nacionais.
Webbre Ndoro apontou a região do Cuito Cuanaval como um dos locais predilectos para entrar na lista como património da humanidade, para além de outros que possam ser identificados com um trabalho profundo de peritos.
De acordo com Webbre Ndoro, África é um local rico em tradições históricas e que esta riqueza deve ser aproveitada e transformada em património da humanidade.
O director considerou que em relação a outros continentes África encontra-se atrasada no que se refere a elevação de património, referindo ser necessário maior envolvimento de todos para que haja mais locais indicados na lista.
O responsável espera que a cidade de Mbanza Kongo entre na lista de património da humanidade, abrindo assim a oportunidade para que outros locais de Angola sejam bem classificados.
O estado actual do património africano incluído na lista dos bens culturais da UNESCO e a lista dos sítios candidatos a património mundial está em análise durante a II reunião dos peritos Africanos do Comité do Património Mundial.
O evento, que decorreu até ao dia 15, aconteceu sob o lema “juntos preservemos o património africano-um recurso para o desenvolvimento sustentável de África, numa parceria entre o Governo Angolano e o Fundo para o Património Mundial Africano.
O evento contou com a participação de peritos dos países africanos membros do Comité do Património Mundial, nomeadamente Angola, Burkina Faso, Tanzânia, Zimbabwe, Tunísia, e de outros especialista da África do Sul, e dos representantes do Fundo para o Património Mundial Africano.
Os peritos passaram em análise as propostas de candidatura para a inscrição de bens na Lista do Património Mundial da UNESCO, estado de gestão e conservação de bens africanos inscritos na lista do Património Mundial e na lista do Património Mundial em perigo, a Estratégia Global para uma Lista representativa e equilibrada e a revisão das orientações práticas da Convenção de 1972.
Angola, que ocupa a Vice-Presidente do Bureau do Comité do Património Mundial e Presidente do Grupo para o ano 2017, tem a cidade histórica de Mbanza Kongo a concorrer para ser classificada como património mundial da UNESCO. O país conhecerá o resultado final desta candidatura durante a reunião anual da UNESCO a ter lugar em Julho deste ano na Polónia.