Um grupo de investigadores e exploradores da província do Uíje, composto por técnicos da delegação do turismo local e jornalistas, fizeram recentemente, um levantamento dos princípais pontos turísticos, e concluiram que aquela parcela do território nacional, possui um potencial turístico rico em inúmeras paisagens e belezas naturais em estado de abando, que clamam por uma maior atenção do Executivo nacional, de empresários nacionais e estrangeiros interessados na exploração destes sítios.
Entre os já existentes, foram ainda apresentados novos locais que até então eram desconhecidos para muitos, descritos como verdadeiros encantos naturais, onde quem visita, deixa de parte a dúvida sobre a realeza e grandeza das potencialidades turísticas da província, que “podem ser melhor aproveitados”, conforme refere José Bule, jornalista local que liderou a expedição aos monumentos naturais espalhados em vários municípios visitados no âmbito do projecto Turuíje, cujo objectivo era fazer um levantamento da real situação das mesmas. “Infelizmente, o projecto fracassou por falta de financiamento, mas o desafio está lançado”, lamentou.

Constrangimentos de acesso
José Bule apresentou os principais constrangimentos registados durante a visita, os factores que condicionam os acessos aos sítios e outros que também impendem que muitos empresários possam investir nestas zonas. O sector é atraente e pode revolucionar a economia local. Ele propõe a criação de agências de turismo para promover o sector do turismo local, onde se incluam guias para facilitar as visitas aos espaços, munir o pessoal técnico de meios de transporte e formação na área, além da promoção das potencialidades, formação de quadros, fomento da actividade, financiamento bancário às iniciativas de empreendedores, construção de infra-estruturas e o ajustamento do actual quadro legal do turismo, que data de 1965, com alterações apenas depois da independência nacional em 1975.
Segundo o investigador, em menos de 45 dias, a província ficou a conhecer parte do total do seu acervo turístico. Além dos locais já conhecidos, surgem mais outros que podem ser mapeados e incluídos na lista de belezas naturais da província, como grutas, lagoas, cascatas e rios com uma variedade de peixes e outros, entre as quais constam:

1. “Lagoa do Feitiço”, originada por um fenómeno misterioso que fez submergir, antes da chegada do colonizador, o bairro de N´gungu Índua, na comuna de Dâmbia ya N´gola, aldeia Viçosa, município de Dange Kitexe.
2. “Lagoa do Mufututu”, no município do Songo, onde as águas são cristalinas, com efeitos terapeúticos e abundante em peixe. Além da sua paizagem, convidam para um bom passeio.
3. “Gruta do Zenzo”, na região de Ambuíla. As sua águas são provenientes de rochas e as estrutura parecem edifícios perfilados. “Engraçado é que não passa por lá nenhum rio”, afirma José Bule.
4. “Pedras e Quedas do Bombo”, ainda em Ambuíla, constituem uma verdadeira raridade natural sobre o rio Cuilo.
5. “Grutas de Nzinga Nzambi”, está situada no município do Bembe, descrita como uma verdadeira atracção turística.
6. “Massau e Kalundungo são também outras realidades que carecem de melhor exploração, valorização e aproveitamento do empresariado nacional.
7. “Minas de Mavoio”, no município de Maquela do Zombo, hoje existem lá trabalhos de exploração mineira.
8. “Vale do Loge”, no perímetro do rio Loge.
9. “Morro do Wale Kawale”.
10. “Kacula Kinanga”.
11. “Reserva Florestal do Beu”.
12. “Lagoa do Luzamba”.
13. “Pedras do Incoge”, descobertas nos meiados do século XVII.
14. “Fortaleza do Bembe”, construída no século XX.
15. “Figuras Rupestres de Kissadi”.
16. “Pinturas da Cabala”.
17. “Ponte Vamba Wa Bamba”, sobre o rio com o mesmo nome.
18. “Ruínas de Furtin”, em Maquela do Zombo.
19. “Túmulo do Ancião Mir Kabango”, grande guerreiro da registência contra a ocupação colonial.
20.”Túmulo do rei Mbiana Mbunga”.
A província do Uíje tem uma área de 58.698 quilómetros e a sua população é aproximada a dois milhões de habitantes. A capital da província também tem a mesma designação. É constituída por 16 municípios, sendo a província de Angola com o maior número de subdivisões administrativas. Os municípios são: Ambuíla, Bembe, Buengas, Bungo, Damba, Alto Cauale, Maquela do Zombo, Milunga, Mucaba, Negage, Puri, Quimbele, Quitexe, Sanza Pombo, Songo e Uíje. Localizada no extremo Norte do país, ela faz fronteira ao Norte e Leste com a República Democrática do Congo, a Sudeste a província de Malanje, a Sul com as províncias do Kwanza-
-Norte e do Bengo e a Oeste com a província do Zaire.