O Twitter lançou esta semana na Europa ferramentas que facilitam os eleitores a identificação de anúncios de campanhas políticas vinculados a eleições cruciais do Parlamento Europeu em Maio, em meio a temores de campanhas russas de desinformação e ameaças de acção regulatória.

Redes sociais como Twitter e Facebook estão sob pressão para fazer mais, para combater notícias falsas e a disseminação de extremismo, e da propaganda online. A União Europeia está preocupada com o papel da Rússia, que tem negado repetidamente tais acções.

O microblog disse que a sua política de anúncios de campanhas eleitorais, introduzida durante as eleições dos EUA, também será lançada na Índia e na Austrália, países que também estão em vias de ir às urnas.

Essencialmente, isso significa que qualquer pessoa pode visualizar anúncios colocados no Twitter endossando um partido ou um candidato a sua Central de Transparência de Anúncios, com detalhes sobre informações de facturamento, gastos com publicidade e dados de segmentação demográfica. Os anúncios estarão disponíveis por tempo indeterminado.

Uma indicação visual e informações sobre o conteúdo promovido permitirão que os usuários identifiquem anúncios de campanhas políticas e quem os financiou.

"A nossa política de anúncios de campanhas eleitorais está a ser expandida para cobrir o EUElections 2019, proporcionando ao público geral uma camada adicional de percepção sobre quem está a exibir um anúncio de campanha no Twitter", disse a empresa num um post no blog.

O Twitter disse ainda, que os candidatos ou organizações terão que passar por um processo de certificação com verificação de identidade antes de poderem exibir anúncios de campanha no seu site. Esta política terá início em 11 de Março deste ano.