O filme biográfico centrado na vida de Freddie Mercury foi o grande vencedor da 76.ª edição dos Globos de Ouro, realizado em Beverly Hills nos EUA, ao arrecadar dois dos mais importantes prémios, incluindo melhor filme.
O filme “Roma”, o drama semi-autobiográfico de Alfonso Cuarón, foi eleito melhor filme estrangeiro. A obra filmada a preto e branco na cidade do México valeu a Cuarón o prémio de melhor realizador.
Rami Malek, que dá vida à lenda dos “Queen”, foi eleito melhor actor, “Obrigado a Freddie Mercury por me dar a alegria de uma vida” disse Rami Malek, ao agarrar a estatueta que o distinguiu num filme do produtor e realizador norte-americano Bryan Singer.
Outra das surpresas aconteceu no prémio de melhor actriz: venceu a veterana Glenn Close, em “The Wife”, no papel de mulher de um Nobel da Literatura. A também cantora Lady Gaga era apontada como favorita ao galardão, pela sua actuação em “Assim Nasce Uma Estrela”.
Regina King venceu o prémio de melhor atriz secundária em “A Favorita” e Mahershala Ali o prémio de melhor actor secundário em “Green Book: Um Guia para a Vida”, do realizador Peter Farrelly, filme distinguido nas categorias de melhor comédia ou musical e de melhor argumento.
Um ano depois do discurso de Oprah Winfrey contra “os homens poderosos e brutais”, em pleno desenvolvimento do movimento #MeToo, esta edição não ficou marcada por comentários políticos, pelo menos até Christian Bale subir ao palco para receber o prémio de melhor actor em comédia ou musical, pela sua performance em “Vice”, de Adam McKay.