A imagem que está no topo é de um Walkman que custa três mil euros e o cabo prateado ligado ao dispositivo é de uns auriculares com fios que custam cerca de dois mil. Este não é um artigo sobre telefones ou auscultadores caros. “É este tipo de mercado que credibiliza uma marca”, diz Pedro Jesus.
Na IFA, a maior feira de tecnologia da Europa, a pergunta feita pelo observador ao português responsável pelo marketing da Sony na Península Ibérica foi quem é o público-alvo da gama Signature, que a marca japonesa disponibiliza para o segmento de luxo.
Nesta gama, há leitores de áudio que custam nove mil euros e auscultadores que custam dois mil. Para poder usar estes dispositivos, ainda é preciso comprar um cabo que de ligação, cujo preço é de 300 euros, um valor que faz parecer baratos os novos auscultadores Bluetooth com redução de ruído da mesma empresa e que estão à venda pelo mesmo valor. É caro, mas a Sony não é a única empresa a apostar neste segmento. Outras marcas tecnológicas, como a LG ou a Samsung, também têm produtos acima daqueles que se inserem, regra geral, na categoria dos mais caros. Tudo a pensar nos consumidores mais exigentes. E sim, há quem compre.
Nesta feira em Berlim, além das novidades do costume — de novos smartphones a computadores e até máquinas de lavar — é possível ver todo o tipo de gadgets ultra premium, para quem não se importa de pagar mais para garantir que tem o melhor (e, sobretudo, que é dos poucos a ter esse tipo de produto). Marcas como a Arzum aproveitaram a presença na feira para mostrar máquinas de café com cristais Swarovski e, claro, há sempre novas televisões maiores, mais finas, com mais pixeis e sim, mais caras.
Para quem são estes produtos? Para consumidores “exclusivos”.
Antes de mergulharmos nos produtos que fazem a delícia de quem aposta no glamour, importa perceber quem são estas pessoas. Ao Observador, Cláudia Rodrigues, directora de marketing e comunicação na Samsung Portugal, explica o que move a marca sul coreana: “Sabemos que factores como ‘faz-me sentir bem sucedido’, ‘facilita a minha vida’ ou ‘exprime a minha personalidade’ influenciam as escolhas do consumidor.