Os Estados Unidos da América querem cooperar com Angola em matérias ligadas à preservação da natureza e outros programas através de bolsas de estudo, revelou, na passada segunda-feira, em Luanda, a ministra do ambiente, Paula Francisco.
Segundo a ministra, que falava no final de um encontro que manteve com a embaixadora dos Estados Unidos em Angola, Nina Fite, esta cooperação vai assentar na capacitação de estudantes da Escola de Formação Ambiental “31 de Janeiro”, localizada na província do Cuando Cubango.
Paula Francisco acrescentou que outra das questões abordada foi a pertinência de uma agenda paralela, que poderá ser feita entre 23 a 25 do mês em curso, na qual se aguarda ainda a orientação do Presidente da República de Angola sobre o assunto.
A ministra explicou que também foram abordados assuntos como o lançamento do filme das expedições científicas realizadas em Angola entre 2015 a 2017 pela bióloga angolana Adjany Costa, baseada nas mil e 50 amostras de plantas, três mil de peixes, 99 de répteis e anfíbios, 407 aves e 43 mamíferos.
No encontro foi também analisado o projecto transfronteiriço Okavango Zambeze (KAZA), que deverá dar ao país uma importante fonte de receita e incentivar a mudança dos hábitos da população que ainda se dedica à caça furtiva, ao abate de animais e queima de árvores.
Segundo Paula Francisco, do ponto de vista de conservação estão a ser identificados os requisitos com o Instituto Internacional de Conservação da Natureza e o registo de algumas associações de defesa do ambiente dos órgãos, subsidiários do ecossistema da ONU.