Angola fez-se presente na 35.º Reunião Plenária dos Peritos Séniores do ESAAMLG - Grupo Anti Branqueamento de Capitais e Financiamento do Terrorismo da África Oriental e Sul, que se realizou de 8 a 13 de Abril, em Arusha – Tanzânia.
Para esta reunião, Angola submeteu para apreciação do ESAAMLG o seu Relatório de Avaliação em sede de prevenção e combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.
A apreciação versou-se sobre a deficiência registada na Recomendação Especial VIII, que trata sobre as ONG, e é a última deficiência das 35 que tinham sido identificadas na avaliação mútua a que Angola foi submetida em 2012.
O referido relatório de avaliação, depois de escrutinado pelos peritos, foi submetido à apreciação do Plenário, que considerou que Angola supriu a deficiência relativa à Recomendação Especial VIII. Deste modo, o Plenário deliberou pela saída de Angola do processo de monitorização e avaliação periódica do ESAAMLG, por ter completado com sucesso o seu plano de Acção.
Por outro lado, encorajam o país a continuar o seu processo de implementação e reforço das medidas de prevenção e combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo.
O plenário felicitou Angola por ter sido o primeiro país na região a realizar a avaliação de risco no sector das ONG relativa ao financiamento do terrorismo.
Com esta saída, Angola deixará de apresentar relatórios de avaliação até 2021, altura em que será submetida a nova Avaliação Mútua, de acordo com as novas Recomendações do GAFI e respectiva metodologia.
Para o efeito, Angola começou já a sua preparação, dando início em Junho de 2017, o exercício de Avaliação Nacional de Risco, que é Primeira das novas Recomendações do GAFI. À esta, seguir-se-ão outras medidas, dentre elas de adequação legislativa e institucionais.