Processo de angolanização em curso no sector petrolífero desde 2014 registou um défice acentuado nos últimos dois anos, disse o chefe de departamento de Fomento a Integração e Formação de Quadros do Ministério dos Petróleos, Domingos José.
O responsável, que falava recentemente durante o VI Conselho Superior da Juventude em Ondjiva (Cunene), demonstrou que o programa ainda não alcançou as cifras desejadas. De acordo com os dados apresentados durante a conferência em 2014, no caso o primeiro ano da implementação do programa, os indicadores ultrapassaram as expectativas.
Dos 91 postos de trabalho, onde se esperava inserir angolanos, no âmbito do processo de angolanização, foram concretizados 160. Já em 2015, dos 305 enquadramentos previstos, foram concretizados 123. E em 2016 o quadro não mudou, dos 381 previstos foram concretizadas 108 inserções. Já em 2017, a estatística ainda não apontou quantos angolanos foram
inseridos dos 415 previstos.

Formação
No capítulo da formação de quadros, com vista à substituição paulatina da mão-de-obra expatriada, dos 24.973 previstos em 2014, o programa apresentou 29.214 técnicos formados, um saldo de 4.241 técnicos em relação ao previsto.
Em 2015, a previsão era de 31.706 técnicos. Destes, o país formou 27.191, sendo o défice de 4.515 para alcançar a meta prevista. Já em 2016, a previsão do país era de 38.939 técnicos, destes foram formados 39.946 técnicos angolanos. E em 2017 o sector de estatística ainda não revelou quantos foram formados dos 35.185 técnicos previstos.
De acordo com o responsável, a maior parte destas acções formativas tiveram lugar no país, em detrimento do exterior.

Instituto dos Petróleos
No período entre 2014 e 2017, o Instituto Nacional dos Petróleos formou um total de 1.133 técnicos com a qualificação média e técnico-profissional dos quais 207 em 2014, 199 em 2015 e 484 em 2016, respectivamente.
Quanto ao número de empresas a actuar no sector petrolífero, o país conta com um total de 7.663 operadoras, destas 6.304 nacionais e 1.359 estrangeiras. No sector de prestação de serviços, o país conta com um total de 15.264 empresas, destas 12.208 são nacionais e 3.056 são empresas expatriadas.
Na próxima semana, o Ministério dos Recursos Minerais e Petróleo realiza mais um Conselho Consultivo, estando prevista a apresentação do balanço dos dois últimos anos.

Brent está a ser negociado nos usd 75,43

O barril de petróleo Brent para entrega em Agosto abriu hoje a negociar em alta, no mercado de futuros de Londres, ao cotar a 75,43 dólares norte-americanos, uma variação de 0,45 por cento em relação ao fecho anterior.
O petróleo do Mar do Norte, referência às ramas angolanas, fechou a terça-feira em usd 75,08.
Conforme dados compilados pelo JE a partir das publicações mensais do Ministério das Finanças sobre as vendas petrolíferas nacionais, até ao momento, foram vendidos mais de 230 milhões de barris de Brent, referência às exportações angolanas, das quais resultaram receitas estimadas em cinco (5) mil milhões de dólares/1,1 trilião de kwanzas.
A venda de petróleo no mercado dos futuros por parte de Angola, de Janeiro até Maio, permitiu ao Estado uma arrecadação mensal estimada em mil milhões de dólares.