O mercado angolano de abastecimento de combustíveis contou, até ao III trimestre deste ano, com um total de 968 postos de abastecimentos operacionais.
Do número, 489 são em contentores e os outros 479 em infra-estruturas “standard”.
O JE apurou de fontes do sector que 444 (quatrocentos e quarenta e quatro) postos de abastecimentos são marcas brancas, 78 são da Pumangol, 53 da Sonangol (sendo 20 em construção de raíz e 33 em contentores) e 393 da Sonangol Distribuidora (das quais 309 em construção de raíz e 84 em contentores).
Em termos de distribuição por províncias, Luanda conta com 352 postos de abastecimento de combustíveis, dos quais 132 são em construção
de raíz e 220 em contentores.
Ainda em Luanda, quem mais pontos de venda de derivados/refinados controla são as marcas “Bandeira Branca” com 209 postos (14 em construção de raíz e 195 em contentores). A Sonangol Distribuidora tem 88 bombas de combustíveis, sendo 70 em construção de raíz e 18 em contentores, na capital do país.
A Pumangol tem, em Luanda, 33 postos de abastecimento, todas em construção de raíz, e a Sonangalp aparece com 22, dos quais 15 são em construção definitiva e sete em contentores.
Os dados dão ainda conta de, a seguir a Luanda, quem mais bombas de combustíveis tem é a província de benguela com um total de 110. Destas, 51 são em construção de raíz e 59 em contentores. Ainda em Benguela, a liderança da distribuição é das marcas “Bandeira Branca” que controlam 51 postos. Segue-se-lhes a Sonangol com 48 e a Sonangalp e Pumangol surgem com quatro e sete
bombas, respectivamente.
O top 3 é ainda integrado pela Huíla que tem 76 bombas de combustíveis. Na província do “Cristo Rei” 46 bombas são
de raíz e 30 em contentores.
Há ainda em realce a província do Huambo que tem ao todo 68 postos de abastecimento de combustíveis. Lá 47 são de raíz e 21 em contentores. As de “Bandeira Branca” têm 18 postos, a Pumangol 2, Sonangalp 2
e a Sonangol Distribuidora 46.
A província com menos postos de abastecimento é a do Cuando Cubango com 11 (onze) no total.
No global, as bombas de combustíveis dividem-se em Bengo (14), Bié (26), Cabinda (35), Cunene (16), Cuanza Sul (22), Cuanza Norte (12), Lunda Sul (13), Lunda Norte (29), Malanje (28), Moxico (31), Namibe (18), Uíge (35) e Zaire (50).