Após ter declarado prejuízos, a 31 de Dezembro de 2016, a Bodiva ascendeu a 293,9 milhões de kwanzas, tendo-se verificado uma evolução positiva, relativamente ao período homólogo, na ordem dos 165,7 milhões.
A melhoria, de acordo com um documento retomado pelo sítio de internet do Ministério das Finanças, é explicada, essencialmente, pelo crescimento dos proveitos operacionais, que só a partir de Junho começaram a ser registados. No período findo em 31 de Dezembro de 2016, os proveitos de prestação de serviços financeiros totalizaram 252,9 milhões de kwanzas, decorrentes de comissões de negociação, de liquidação, filiação de membros, senhas de acesso, transferência de valores mobiliários e cotação de fecho de valores mobiliários.
Relativamente às comissões de negociação, o montante de proveitos em Dezembro reflecte apenas oito meses de actividade do mercado, pelo que não é possível comparar com o saldo registado até à data (que considera 12 meses de proveito).
No relatório, o presidente do Conselho Executivo, Patrício Vilar, considerou que 2015 foi o ano de arranque do sistema de negociação e 2016 o da “conclusão da infra-estrutura de mercado, com a entrada em funcionamento da Central de Valores (CEVAMA) com as funcionalidades de custódia, compensação e liquidação.