A Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA) atingiu no primeiro semestre deste ano um resultado líquido positivo de 168,9 milhões de kwanzas, um ganho de 196,4 por cento face ao mesmo período do ano passado, revela o relatório semestral daquela entidade.
Trata-se do primeiro lucro desde a sua criação, marcada “essencialmente pelo aumento dos proveitos operacionais em 374,7 por cento”, motivado pelo “início da facturação dos serviços de manutenção em negociação dos títulos de dívida pública ao emitente e pela realização de proveitos relativos a comissões de liquidação entre Janeiro e Junho”, lê-se no documento.
Segundo o relatório da instituição liderada por António Furtado, os proveitos operacionais atingiram 409,2 milhões de kwanzas, um aumento de 374,7 por cento face ao conseguido no período homólogo.
A manutenção em negociação foi a grande impulsionadora deste desempenho, com um contributo de 300 milhões de kwanzas. Seguem-se as comissões de liquidação, com 38,9 milhões de kwanzas operações que não existiam em 2016.
No entanto, houve um decréscimo de 15,8 por cento nas comissões de negociação face ao mesmo período de 2016, na ordem dos 12,5 milhões de kwanzas.
A redução do volume negociado, esclarece o relatório, baseia-se essencialmente pelo desinteresse demonstrado por parte dos investidores pela exposição aos títulos do Tesouro indexados ao dólar norte-americano, num cenário de maior estabilidade cambial.
De acordo com o relatório publicado, à Bodiva cabe assegurar a todos os intervenientes, uma conectividade transparente nos Mercados Regulamentados de Valores Mobiliários e Derivados (MRVM&D), por oposição à negociação fora deles. A estruturação dos mercados regulamentados é um dos objectivos principais da actividade da Bodiva.