O principal grupo de borracha da Indonésia está a pedir para o segundo maior produtor mundial do insumo cortar a produção em 10 por cento em 2014 e está a encorajar os países produtores do Sudeste asiático a fazerem o mesmo para redução de stock global e apoio aos preços.

O futuro da borracha em Tóquio, que define o tom para os preços do insumo no Sudeste da Ásia, caiu quase 10 por cento este ano, diante de preocupações sobre a economia global e alta na oferta.

Os stocks de borracha no maior consumidor do insumo no mundo, a China, monitorados pela bolsa de Xangai caíram mais de 10 por cento na semana passada, mas seguem perto do maior nível em nove anos.

“No mês passado, encaminhei carta para os nossos membros a reduzirem a produção em 10 por cento no próximo ano”, afirmou Daud Husni Bastari, presidente da associação indonésia de borracha, conhecida como Gapkindo.

“Queremos mandar uma mensagem aos grandes fabricantes de pneus”, disse à Reuters.

Os produtores de borracha precisam de preços altos para o produto, disse Bastari, porque o custo de vida aumentou sem que eles fossem beneficiados por preços estáveis ou em alta dos pneus.

A Gapkindo é a maior e mais influente dos grupos de borracha da Indonésia. A produção de borracha do país este ano ficará praticamente estável, em 3,1 milhões de toneladas, com aumentos limitados pelo clima e acordo com produtores da Tailândia e Malásia para reduzirem as exportações.