No âmbito do conjunto de medidas estabelecidas para a retoma do crescimento económico sustentado do país, o Banco Nacional de Angola promove uma Conferência sobre Financiamento ao Sector Privado, a ter lugar no dia 23 de Janeiro de 2019, no auditório Saydi Mingas do Museu da Moeda.
O evento, cujo discurso de abertura caberá ao ministro de Estado do Desenvolvimento Económico e Social, Manuel Nunes Júnior, estará estruturado em três painéis subordinados a diversos temas.
De acordo com a nota que fez publicar o BNA, temas como “Experiências sobre a Gestão do Crédito Malparado”, “Constrangimentos e Soluções do Financiamento ao Sector Privado em Angola” e “Financiamento à Agricultura e à Agro-indústria” vão centralizar os referidos painéis de discussão.
O Banco Nacional de Angola contará ainda com a presença de membros do Executivo angolano, representantes do Banco de Portugal, do Banco Central do Brasil e das principais firmas de consultoria estratégica, assim como distintas personalidades que compõem o tecido empresarial e académico nacional.

Sector monetário
No mês de Outubro de 2018, a base monetária em moeda nacional, variável operacional da política monetária, registou uma expansão de 1,70 por cento face ao mês anterior.
A contribuir para esta expansão, destaca-se, essencialmente, o efeito expansionista das operações fiscais em kz 267.140,96 milhões, fruto de levantamentos de recursos da Conta Única do Tesouro (CUT) em moeda nacional para pagamento de resgate de títulos do Tesouro e outras finalidades superior à arrecadação de receitas.
Esta expansão foi atenuada pelo efeito contraccionista tanto das operações cambiais (kz 243.734,02 milhões) como das operações monetárias (kz 8.758,69 milhões). A contracção causada pelas operações cambiais é justificada pelo facto das vendas de divisas ao mercado terem sido superiores às compras ao sector petrolífero, por parte do BNA, ao passo que as operações monetárias se afiguraram contraccionistas, devido ao efeito líquido das operações de facilidade de cedência de liquidez.
No seu relatório mensal do mês de Outubro, o BNA fez saber que a expansão da base monetária em moeda nacional, em Outubro, reflectiu-se no aumento da circulação monetária, de 1,75 por cento, bem como no aumento das reservas livres em moeda nacional de 14,31, sendo que as reservas obrigatórias em moeda nacional contraíram em 2,32.
Desde o início do ano, observou-se uma contracção de 18,37 por cento da base monetária em moeda nacional, que se reflectiu na contracção das reservas obrigatórias em moeda nacional em 27,75, influenciada pela diminuição do seu coeficiente ao longo do ano, sendo contrabalançada pela expansão das reservas livres.