A venda de divisas pelo Banco Nacional de Angola( BNA), no período entre 11 a 15 de Setembro, à banca comercial angolana, totalizou o montante de 52,7 milhões de euros (equivalente a 58,9 milhões de dólares).
De acordo com os relatórios semanais do BNA sobre a evolução dos mercados monetário e cambial, as divisas vendidas registaram uma quebra de 62 por cento do valor disponibilizado na semana anterior, que foi de 138,6 milhões de euros.
Segundo o documento, a taxa de câmbio média de referência de venda do mercado primário, apurada pelo banco central no final da última semana, manteve-se praticamente inalterada nos 166,747 kwanzas por cada dólar e nos 186,301 kwanzas por cada euro.
No mercado informal, a alternativa, embora ilegal encontrada pelos cidadãos angolanos face à falta de divisas aos bancos comerciais, o preço cada dólar norte-americano ronda aos 380 kwanzas a compra, desde Março deste ano.
Angola enfrenta desde finais de 2014 uma crise financeira e económica, com a forte quebra das receitas com a exportação de petróleo que originou uma ruptura na entrada de divisas no país.
As limitações no acesso a moeda estrangeira aos balcões comerciais, fizeram com que o valor de cada dólar atingisse no mercado informal os picos máximos de 630 kwanzas em Junho do ano passado, registando depois numa forte quebra, tendo atingido em Fevereiro deste ano, os 32 mil kwanzas a compra.

Reportagem
A ronda feita pela equipa reportagem do JE, pelos principais pontos de transacção e venda informal de divisas, como Mártires de Kifangondo, Mutamba e José Pirão, apurou que continua difícil o acesso a moeda americana, apesar do preço do dólar se demonstrar estável (entre 360 a 380 kwanzas) há mais de cinco meses.
Para Paulina Gonga, por exemplo, trabalhadora de uma perfumaria, as roturas no “stocks” aos poucos estão a ser repostas, porque também já sente alguma facilidade na aquisição da moeda.
“Está realmente mais fácil conseguir dólares. Com essa realidade os nossos perfumes também baixaram muito”, disse.
Já para a Rosi Yumara, solteira e funcionária de um quiosque, ainda considera difícil a aquisição dos dólares e garante que no preço que está ainda não compensa.
“Há muito que já optei por comercializar produtos nacionais. Em Portugal, compramos uma ou outra coisa como perfumes e bijuterias, mas estamos em crer que as coisas melhorem”, afirma.

Leilão semanal do BNA
O sector petrolífero absorveu o maior valor, com um total de 71 milhões de euros enquanto que para a cobertura das necessidades de operações do sector Cartas de Crédito foram disponibilizados 49 milhões de euros
Para os sectores da Indústria e bens alimentares, por via de Cartas de Crédito asseguradas pelo BNA, foram disponibilizadas, 17,3 milhões de euros, para cobrir as suas operações.
Já os sectores de diversos, da saúde e Indústria foram disponibilizados um valor aproximado de 13,11 e 10 milhões de euros, respectivamente, para a cobertura das suas necessidades.
No total foram cinco os sectores beneficiados inclusive as operações de Ministérios e Organismos do Estado com 134,3 mil euros.

Operações fiscais
Para a gestão corrente do Tesouro Nacional, o Banco Nacional de Angola, enquanto operador do Estado, colocou no mercado primário Títulos do Tesouro no montante de 44,00 mil milhões de kwanzas, sendo 29,7 mil milhões em Bilhetes do Tesouro (BT) e 14,3 mil milhões de kwanzas em Obrigações do Tesouro indexadas ao câmbio (OT-TXC). As OT-TXC emitidas foram nas maturidades de 3, 4 e 5 anos à taxas de juro nominal de 7,00; 7,25 e 7,50 por cento ao ano, respectivamente.
As taxas de juro médias apuradas para os BT nas maturidades de 91, 182 e 364 dias situaram-se em 16,14 por cento ao ano para 91 dias; 20,25 por cento ao ano para 182 dias e 23,90 por cento
ao ano para 364 dias.

Operações monetárias
Para efeitos de regulação monetária o BNA realizou operações de mercado aberto (OMA) no montante de 109 mil milhões de kwanzas, nas maturidades de 7, 14, 28 e 63 dias, à taxas médias de juro de 7,50; 9,00; 11,00 e 13,00 por cento ao ano, respectivamente.
No mercado interbancário os bancos comerciais realizaram entre si operações de cedência de liquidez sem garantia de títulos, no montante acumulado de 15,4 mil milhões de kwanzas em maturidades de 1 a 15 dias, a taxa média de juro entre 20,00 à 22,09 por cento ao ano.