Firmas locais de grande referência mundial ligadas a sectores como transportes, mineração, energia e maquinaria preparam-se para explorar mercado africano.

Uma delegação finlandesa, integrada por representantes de cerca de 50 empresas e chefiada pelo ministro do Comércio Externo e Desenvolvimento finlandês, Vayrynem Paavo, visita Angola a partir de amanhã, para estreitar relações com a classe empresarial angolana. Os representantes das maiores firmas daquele país nórdico pretendem estabelecer uma plataforma de discussão das oportunidades de negócio existentes nos dois países.

Depois de, em Novembro último, uma delegação angolana, que visitou a Finlândia, ter aberto as possibilidades para estreitamento das relações entre os dois países, um ministro finlandês visita Angola, pela primeira vez, para aprofundar a ainda modesta cooperação existente entre ambas as partes. “Estas visitas reflectem a importância do crescimento económico e o potencial comercial de Angola , assim como a vontade de os nossos países aumentarem o nível de cooperação. Estas visitas proporcionam ainda um ponto de encontro para trocarmos pontos de vista e ideias de como podemos promover o comércio e expandir as relações comerciais para benefício dos dois países”, assumiu o ministro finlandês.

Os finlandeses, defende Jorma Suvato, director do Departamento para a África e o Médio-Oriente do referido Ministério, vão promover uma maneira diferente e inovadora de fazer negócio. Para ele, a aposta da Finlândia são os projectos sustentáveis, além da transferência de tecnologia e conhecimento. “Estamos dispostos a transferir tecnologia e know-how para Angola”, afirma, assegurando que os finlandeses primam pela criação de empregos para os cidadãos nacionais dos países onde actuam, para que os mesmos possam manter continuamente os projectos que forem desenvolvidos.

Jorma Suvato reafirma que há um grande interesse de empresas finlandesas em investir em Angola, ligadas, fundamentalmente, aos sectores das telecomunicações, transportes, mineração, energia, logística, meteorologia e maquinaria. Os empresários, garante, pretendem saber mais sobre as oportunidades no mercado angolano, assim como estabelecer parcerias. “Existe um forte potencial entre os dois países que deve ser explorado. Há oportunidades em ambos os lados, precisamos apenas de as conhecer, estudar e explorar”.

Financiamento

Para promover investimentos locais em Angola, a delegação finlandesa conta ainda com uma importante instituição. Trata-se do Fundo Finlandês para a Cooperação Industrial (Finnfund), que destinou, até Agosto do ano passado, cerca de 151 milhões de euros a investimentos em África. Mikko Kuuskoski, gestor sénior de investimento da referida instituição, garantiu que, havendo oportunidades em Angola, as empresas finlandesas, e não só, podem contar com o apoio do fundo para os seus investimentos, bastando apenas que se seleccione o ramo de actividade.

Até agora, o Finnfund, disse, tem destinado os seus apoios a variados sectores económicos, como energia (56 por cento), serviços de saúde (10), manufacturação (53), indústria (72), silvicultura (39), telecomunicações (8), e hotelaria (14), entre outros.

“O Finnfund investe principalmente com empresas finlandesas, mas podemos também financiar os seus parceiros, como clientes a longo prazo, fornecedores e firmas com licença”, revela o gestor, frisando que os projectos que usam tecnologia finlandesa ou know-how, ou ainda geram benefício ambiental e social, merecem igualmente o financiamento do fundo.

Com isto, aproximadamente 50 por cento do financiamento da Finlândia é destinado à África. Parceiros africanos, como Etiópia, Quénia, Moçambique, Zâmbia e Tanzânia, têm beneficiado de uma cooperação a longo prazo, baseada nos seus próprios planos de desenvolvimento.

Leia mais sobre outras notícias na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação