A organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reúne-se no próximo dia 20 em Viena, Áustria, de acordo com o calendário da organização.
Este encontro do Cartel acontece num momento em que alguns membros têm todo o interesse em que os preços subam o necessário para que as receitas nacionais possam reflectir os efeitos positivos das pretensões definidas pelo grupo.
Para tal, as diplomacias movem-se em torno dos alíados mesmo dentro do grupo, sendo um sinal muito forte a visita efectuada esta semana pelo presidente Nicolás Maduro, da Venezuela, que foi à Argélia mobilizar apoio às suas eventuais pretensões.

Corrida diplomática
A Venezuela, tal como é sabido, vive um clima de revolta interna que levou a Organização das Nações Unidas, impulsionada pelos Estados Unidos, a endurecerem as sanções anteriormente já impostas ao país.
Em declarações à televisão estatal venezuelana, Nicolás Maduro explicou que no encontro com o presidente do Senado argelino, Abdelkader Bensalah, analisaram o acordo assinado em finais de 2016 por membros e não membros da Opep, para reduzir, até Março de 2018, a produção de petróleo e tentar, assim, elevar o preço internacional do barril de crude.
“A 20 de Setembro será a (próxima) reunião da Opep em Viena, Áustria e há boas notícias”, disse.
O presidente venezuelano anunciou também que um grupo de empresários argelinos vai visitar proximamente o seu país, “como parte da agenda económica Bolivariana” e os projectos de expansão e incorporação de investimentos, para diversificar a economia, de que faz parte o estabelecimento de comunicações aéreas entre ambos países.