Angola exportou, entre Janeiro e Maio de 2019, 3,5 milhões de quilates em diamantes, menos 5,8 por cento do que no mesmo período de 2018.
Contudo, as receitas de exportação registaram uma subida de 13,6 por cento, num total de 526 milhões de dólares. A subida, segundo dados do Ministério de tutela, deveu-se então ao preço de venda por quilate.
No que toca à receita fiscal, o Estado arrecadou 39,3 milhões de dólares durante o período.
Trata-se de um aumento de 32,8 por cento face aos primeiros cinco meses de 2018. Outra nota para o preço de venda bastante elevado em Maio, devido à venda de pedras com características muito raras.
Esta semana, o secretário de Estado da Geologia e Minas, Jânio Correia Víctor, esteve na Namíbia onde participou da 6ª reunião do Conselho de Ministros da Associação dos Países Africanos Produtores de Diamantes (ADPA).
A delegação angolana integra responsáveis do Ministério e da Comissão Nacional do Processo Kimberley.
Na reunião, foram analisados, entre outros assuntos, o relatório das actividades do secretariado Executivo da ADPA relativo aos últimos dois anos; cronograma das actividades para o período 2019-2020; relatório financeiro da ADPA sobre o exercício financeiro de 2017; orçamento da ADPA para o período de Junho 2019 a Junho de 2020; declaração sobre a proposta da nova definição de diamantes de conflito; proposta de declaração da ADPA sobre os diamantes sintéticos e a proposta de criação da Bolsa Africana de Diamantes.
Ainda no quadro da cooperação institucional, o ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, deve receber na tarde de hoje, no Ministério, o presidente do Conselho Federal de Bundesrat da República Federal Alemã. Espera-se abordarem sobre a cooperação e a participação alemã nos desafios de atracção de investimentos para a indústria mineira onde são potencialmente fortes.