A Itália pretende ser o maior destino da produção de frutas e verduras de Angola, sobretudo produzidas nos municípios da província da Huíla, com realce para a Humpata.
A informação foi prestada ao JE, pelo embaixador da Itália em Angola, Cláudio Miscia, que destacou o interesse de investidores do seu país em potencializar o sector da produção e importação de frutas de Angola para aquele país.
“Os empresários italianos vão nos próximos tempos importar as frutas produzidas no município da Humpata, província da Huíla”, garantiu.
Cláudio Miscia informou que o município da Huíla é conhecido pelo seu potencial na produção de pera e morango, daí, o interesse do seu país em importar essas frutas.
Explicou que a Itália é um dos maiores mercados de frutas e verduras da Europa. Acrescentou que em função do potencial frutícola da província da Huíla, existe interesse de começar a apostar também neste domínio, de modo a que, o nosso tenha no seu mercado as frutas oriundas de Angola no caso específico, do município da Humpata.
“A Itália pretende ser o maior destino da produção de frutas e verduras de Angola, por isso, há interesse de investidores italianos em potencializar esta área”, garantiu.

Vantagens
Indicou que a Huíla tem vantagens por ser uma terra agrícola de excelência com clima favorável ao desenvolvimento de frutas, que são mais consumidas na Itália.
“A Itália tem um seguimento da importação de frutas tropicais que está aumentar cada vez mais e em função do potencial de Angola neste domínio, faz todo sentido os empresários cooperarem nesta área”, disse.
Referiu que Angola, no caso particular da província da Huíla, tem potencial importante na produção de qualidade que mereceria o reconhecimento e a protecção do Estado a nível internacional.
Disse que a Itália está também a olhar para outros sectores que podem ajudar na diversificação da economia angolana, dando como exemplo as rochas ornamentais que, para além de importar, prevê disponibilizar máquinas e experiências para potenciar Angola.
A questão da protecção da produção de qualidade é uma característica de alguns países da Europa, como Itália, França, Espanha e Portugal.
“É um instrumento que também é utilizado em África, como em Marrocos, Egipto e Moçambique. Angola tem tudo e merece ter também este instrumento de ter protecção internacional no domínio”, reconheceu.
Acrescentou que os municípios da Humpata, Chibia e Lubango produzem morango, goiaba e até chouriço caseiro, que são alimentos típicos e muito conhecidos na Europa.
Esses produtos podem ser protegidos, o que pode culminar também na produção, não em número, mas em qualidade e garantia.


Cooperação entre os dois países é excelente
O embaixador da Itália em Angola reconheceu que as relações bilaterais entre os dois países são excelentes.
“Precisamos de fortalecer cada vez mais esta relação com vantagens imensuráveis para os dois países”, disse.
Revelou que a crise económica e financeira que se regista tem estado a contribuir no abrandamento das trocas comerciais, mas acredita que a situação é temporária.
Exportações
O diplomata sublinhou que as exportações da Itália para Angola estão a aumentar, principalmente na maquinaria para o sector agrícola e industrial.
Destacou que Angola está a incrementar o sector da Agricultura muito rapidamente, o que poderá contribuir rapidamente para se alcançar a produção dos bens básicos para satisfazer a
necessidade nacional.
“Quanto a Angola importa máquinas de grande dimensão para os sectores da agricultura e exploração e transformação do granito negro, como acontece com a província da Huíla, significa que há empresários dos dois países apostados na alternativa de arrecadar receitas para o Estado, ao invés de concentrar atenções somente no petróleo”, referiu.