Empresa prevê aplicar o investimento no melhoramento e promoção do negócio ligado à vertente de entretenimento em todas as províncias do território nacional.


A empresa Casinos de Angola pretende investir nos próximos anos mais de 55 milhões de dólares no desenvolvimento da indústria de entretenimento e de jogos no país. Esta informação consta de um comunicado a que tivemos acesso, referindo-se que o investimento deverá promover o negócio na cidade de Luanda, onde o grupo controla quatro casinos, e do Lubango, que conta já com um.

Com esta iniciativa, os investidores acreditam melhorar de forma significativa a produção cultural e artística, através de uma indústria de entretenimento e de jogos eficiente e bastante atractiva.

Os Casinos de Angola, por meio da sua rede de casas de jogos em Luanda e Lubango, e que brevemente poderão se estender para outras províncias e localidades que apresentam um alto movimento turístico, querem continuar a ser uma referência na promoção da indústria do turismo nacional. O objectivo é consolidar as marcas nacionais e locais, por via da música, do teatro e da moda.

Segundo o director de marketing, Tiago de Sousa, é política do grupo incentivar a produção artística local, como forma de elevar os padrões culturais e de promover o país no estrangeiro.

“A nossa oferta cultural é bastante diversificada, pelo que conseguimos reunir clientes com diferentes gostos, além de dispôr de novas oportunidades aos jovens talentos para apresentarem o seu trabalho”, explica.

Tradição

Com um investimento de cinco milhões de dólares, os Casinos de Angola inauguraram, em Dezembro do ano passado, o Casino Olímpia, na cidade do Lubango, província da Huíla. O espaço proporcionou 130 postos de trabalho directo aos locais e tem servido de grande referência para a descoberta e exibição de valores da cultura local, entre criadores de moda, músicos e outros artistas que enriquecem as manifestações culturais locais. Além dos novos talentos, a casa também tem proporcionado, ao longo deste período de existência, o reencontro entre os consagrados da arena cultural, sejam músicos, estilistas, actores e criadores de arte.

A Direcção Provincial da Cultural da Huíla distinguiu a casa por ser uma grande referência nas opções de entretenimento e no lazer dos lubanguenses e de todos os turistas que procuram, além de Cristo-Rei, as quedas da Tundavala, da Serra da Leba, Hunguéria e outros pontos de diversão.

Durante este ano de existência, o Casino Olímpia contou com 138 noites de actividades culturais com artistas de renome de Angola, Portugal, Brasil, Perú, Camarões e o Congo Democrático.

Por lá passaram já artistas de renome, casos de Yola Semedo, Waldemar Bastos e Dionísio Rocha, além da jovem banda huílana Showas.

Para os investidores, o objectivo é colocar a cidade do Lubango e o país na rota do turismo africano e mundial.

“São muitos os visitantes de países limítrofes de Angola, como Namíbia e África do Sul”, disse Tiago de Sousa.

Recentemente, a directora provincial da cultura da Huíla, Maria Gomes, considerou o Casino do Lubango como um centro cultural com inovação criativa, razão pela qual todas as casas promotoras da cultura e espectáculos da cidade a deveriam ter como exemplo.

O grupo Casinos de Angola apoia a Aldeia SOS Criança, uma organização sem fins lucrativos que tem como objectivo acolher crianças órfãs.

Leia mais sobre outras notícias na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já nas bancas