O futuro da indústria internacional do petróleo e gás está a ser discutido desde ontem até hoje (sexta-feira), em Maputo, numa iniciativa da Empresa Nacional de Hidrocarbonetos de Moçambique, segundo indicou uma nota de imprensa retomada pelo portal observador.
A reunião decorre no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano e conta com a participação do Governo, operadores da indústria, empresas parceiras e instituições financeiras, e tem o patrocínio de várias empresas internacionais directa ou indirectamente ligadas ao sector, casos da ExxonMobil, Anadarko, Mozambique LNG, BP, TechnipFMC, Sasol, Siemens, Baker Hughes GE, Air Products, Subsea7 e Enmar.
O encontro vai debater, entre outros, temas como o ponto de situação da indústria de petróleo e do gás em Moçambique, as prioridades do Governo na atracção de investimento no sector, projectos prioritários, perspectiva de novas áreas de pesquisa e produção de petróleo e gás e de transformação de Moçambique num ‘hub’ de gás e energia ao nível da África Austral.
A abertura, ontem, foi presidida pelo vice-ministro dos Recursos Minerais e Energia moçambicano, Augusto de Sousa Fernando.
Lembrar que esta reunião foi antecedida, na quarta-feira, pela celebração do Dia de Conteúdo Local, dedicado à reflexão sobre os últimos desenvolvimentos e as perspectivas de legislação e participação de empresas locais no crescimento da indústria nacional de petróleo e gás, em toda a sua cadeia de valor.
Moçambique quer com isso marcar um novo posicionamento na indústria regional e internacional do petróleo e do gás.