A Primeira Feira Nacional Juvenil de Educação, Tecnologia e Cultura (FEJETEC), que teve lugar no último fim de semana, no Centro de Conferências de Belas(CCB), em Luanda tratou de reunir jovens estudantes e criadores num só espaço para partilha de conhecimentos e experiências.
Numa organização do secretariado nacional da Juventude do Movimento Popular de Libertação de Angola (JMPLA), a feira contou com 93 expositores das 18 províncias do país, entre eles as maiores instituições académicas, organizações do sector produtivo, prestadoras de serviço e projectos juvenis nos domínios do empreendedorismo, tecnologia e cultura.
O arranque da Fejetec superou as expectativas para um primeiro evento, pelo nível de organização e a qualidade das apresentações. Na ocasião, o primeiro-secretário Nacional da JMPLA, Sérgio Luther Rescova, sublinhou o facto de a FEJETEC ser um evento de todos os angolanos, independentemente do credo religioso e da cor partidária.
“Pretendemos que a FEJETEC seja a maior montra do talento e criatividade juvenil para que sejam criadas as referências juvenis nas áreas da educação, tecnologia, empreendedorismo e cultura. Muitos desses projetos aqui expostos podem ser utilizados para resolver necessidades da nossa sociedade, tornando assim essa importante franja da sociedade mais participava no processo de desenvolvimento do nosso país”, afirmou.

Abertura
O vice-presidente da República, Bornito de Sousa, efectuou uma visita guiada à feira, onde percorreu os 93 stands de pequenas, médias e grandes empresas que expuseram o potencial juvenil nos mais variados domínios, em representação das 18 províncias do país.
Bornito de Sousa apontou como desafio a melhoria da qualidade do sistema de formação, para o desenvolvimento do país. “Vamos continuar a aumentar o número de jovens e crianças no sistema escolar, mas se não olharmos para a qualidade da nossa formação, esse país pode falhar”, afirmou o vice-presidente da república.
Segundo o governante, Angola tem potencialidades em termos de jovens e “devemos ter em conta que é a juventude a quem cabe o desenvolvimento deste país”. Acrescenta que, Angola está num momento em que deve passar da quantidade para a qualidade.
Para o dirigente, os jovens são a pedra basilar para o desenvolvimento do país, que só se desenvolverá se cada uma das províncias, cada um dos municípios, escolas, entre outros, preparar-se para o futuro.
Já o primeiro secretário Nacional da JMPLA, Sérgio Luther Rescova, dise que esta é uma iniciativa que deve continuar e lutar para tornar cada vez mais congregadora, reforçando a participação das várias organizações da sociedade civil. Sublinhou que durante três dias a Fejetec demonstrou que é um evento de todos os angolanos, independentemente do credo religioso e da cor partidária.
“Pretendemos que a Fejetec seja a maior montra do talento e a criatividade juvenil, para que sejam criadas as referências juvenis nas áreas da educação, tecnologia e empreendedorismo e cultura. Muitos dos projectos expostos podem ser utilizados para resolver necessidades da nossa sociedade, tornando assim essa importante franja do sistema social mais participativa no processo de desenvolvimento do nosso país”, afirmou Sérgio Luther Rescova.
Segundo a JMPLA, com a realização das Fejetec, mais facilmente serão identificados e apoiados os talentos jovens com elevado grau de criatividade nos mais variados domínios.
O evento teve duas fases: a primeira a provincial, que decorreu até ao dia 20 de Abril e a segunda, que é nacional, teve lugar nos dias 27, 28 e 29 último, onde foi possível a todos os interessados participarem.
Além das exposições de iniciativas juvenis, a feira tem uma componente de concurso onde serão premiados o melhor projecto de investigação científica, melhor aplicativo informático ou software, melhor obra literária juvenil, melhor peça teatral, melhor composição musical juvenil, jovem empreendedor e o melhor stand. Alémm dos prémios das categorias referidas, esta primeira edição vai institucionalizar os Prémios de Mérito Hoji-YaHenda, o patrono da juventude.
O governador da província de Luanda, Adriano Mendes de Carvalho salientou no acto de encerramento do certame ser uma iniciativa inédita e criativa orientada a promoção do mérito e da excelência.