O projecto petrolífero “Kaombo” poderá nos próximos cinco meses, caso mantenha uma exploração efectiva, arrecadar uma receita estimada em 1,2 mil milhões de dólares, considerando o preço de 70 dólares por barril e uma produção total de 17,25 milhões de barris e que resultam da sua produção diária calculada em 115 mil barris de petrtóleo/dia (bpd).
As contas feitas pelo JE levam em conta os actuais preços médios, que embora previstos no OGE/2018, em Usd 50 pelo barril tem andado seguro na fasquia de 70 onde não sai há já mais de dois meses.
Na semana passada, a Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol), a Total E&P Angola e suas associadas do Bloco 32 anunciaram o início da produção de petróleo na Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Descarregamento de Crude (FPSO) Kaombo Norte.
Estima-se que a produção do FPSO Kaombo Norte, o maior projecto de águas profundas recentemente desenvolvido em Angola, a 260 km da costa de Luanda, atinja cerca de 115 mil barris de petróleo/dia.

Segunda fase
A segunda unidade do género, o Kaombo Sul, igualmente no Bloco 32, deverá entrar em produção em 2019, prevendo-se que a produção combinada das duas unidades atinja os 230 mil barris de petróleo/dia.
Quando a produção efectiva chegar aos 230 mil bpd, a facturação de Kaombo poderá garantir, para 2019, uma receita calculada em 5,8 mil milhões de dólares, de uma produção prevista de mais de 80 milhões de barrís.
Os dois FPSO’s, cujo gás associado à produção de petróleo será exportado para a fábrica Angola LNG, serão conectados a 59 poços, através de uma das maiores redes de linhas submarinas do mundo, e irão desenvolver os recursos de 6 campos diferentes (Gengibre, Gindungo, Caril, Canela, Mostarda e Louro), dispersos numa área de 800km2, nas zonas Central e Sul do referido Bloco.
A Total E&P Angola é a operadora do Bloco 32, com uma participação de 30%, e tem como associadas a Sonangol P&P (30%), Sonangol Sinopec International 32 Limited (20%), Esso Exploração e Produção Angola (Overseas) Limited (15%) e a Galp Energia Overseas Block BV 32 (5%).
Recentemente, através de uma nota de imprensa, a Sonangol fez saber que está, fortemente, empenhada na consolidação das premissas que deverão sustentar todo o processo de regeneração pretendido para a petrolífera nacional. A empresa diz manter-se focada no “core business” para gerar lucros.