O certame que reúne, periodicamente, produtores, compradores e demais investidores do mercado do petróleo e do gás serviu para a delegação angolana reavaliar o nível de organização do sector e em como Angola pode aproveitar as parceiras alinhando as suas estratégias de exploração do petróleo e do gás às inovações que vão sendo introduzidas nesta indústria de capital intensivo.
Conforme soube o JE, a presença do ministro Botelho de Vasconcelos foi também solicitada pela organização da conferência, que acredita no potencial da indústria angolana.
“O evento constitui uma oportunidade única para discussões multilaterais sobre as áreas energéticas de interesses comuns”, lê-se numa nota justificativa sobre o evento, publicada pelo Ministério dos petróleos na sua página.
O auxílio solicitado ao Minpet pela organização do evento foi no sentido de suscitar o interesse das companhias petrolíferas angolanas a participarem da referida exposição.
Esta presença da diplomacia petrolífera angolana deu-se já depois de na semana anterior o ministro Botelho de Vasconcelos e quadros do seu pelouro terem estado em Viena, na reunião da organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP).
Numa outra frente diplomática, uma delegação chefiada pelo secretário de Estado para os Petróleos, Aníbal Silva, esteve a participar da Conferência Internacional sobre Derrames Petrolíferos, na Califórnia, Estados Unidos da América.
Conforme noticiado pelo Ministério, através da sua página de internet, “Prevenção, preparação, resposta e restauração” foi o tema posto em abordagem este ano.
Durante o evento, foi aberto um painel relativo ao mapa de sensibilidade ambiental das áreas de concessão petrolífera angolana.
Além do secretário de Estado, integraram a delegação angolana à conferência, o director nacional de Segurança, Emergência e Ambiente do Minpet, Manuel Xavier e o técnico sénior, Gilson Carmelino.