As mudanças que o sector das alfândegas tem implementado no que diz respeito ao processo de retirada em tempo curto dos produtos do recinto portuário ou outra zona de controlo aduaneiro são benéficas desde o vendedor ao consumidor final.
No consumo diário dos produtos, uma questão que não se pode ignorar tem a ver com a data de caducidade dos produtos importados, principalmente.
É de imaginar que se um determinado consumível passa mais de 45 dias no recinto portuário desde a sua chegada, sem se ter ainda em atenção a data de embarque, pode-se chegar ao ponto de uma mercadoria, do embarque na origem até ao desembarque no destino, vencer o seu prazo normal 60 a 90 dias.
Tanto assim é que, nos dias de hoje, tornou-se muito comum observarem-se campanhas de promoções com baixas de preços ou no também tradicional paga 1 e leva 2, mas para produtos cujas datas de caducidade estão muito próximas de vencerem.
Vem daí que ao cliente é sempre recomendado que este observe antes de comprar, o rótulo do produto para conseguir obter informações desde as propriedades, ao tempo em que o mesmo deverá estar fora do ciclo de consumo.
Os rótulos e a descrição de todas as mercadorias importadas para Angola têm de estar obrigatoriamente em português, segundo o regime de Inspecção Pré-embarque (IPE), que vigora desde Agosto de 2006.
Tal exigência que consta de um artigo (oferta de produtos e serviços) da Lei sobre defesa do consumidor, publicada a 22 de Julho no Diário da República I - Série nº 55 ainda assim, nem sempre é cumprido pelo que fica mesmo da parte do comprador ou usuário de um bem ou serviço a responsabilidade de verificar sempre.