Os dois mais recentes navios adquiridos pela Sonangol Shiping, baptizados por Cazenga e Maiombe, entram em operações de carregamento já neste mês de Abril e no próximo
(Maio), respectivamente.
De acordo com a petrolífera estatal, os dois navios vão efectuar diversos transportes já fretados por empresas do Médio Oriente. Os mesmos deverão ser tripulados, maioritariamente, por técnicos angolanos formados para o devido efeito.
Na nota recente que distribuiu à imprensa, a Sonangol Shipping fez saber que os dois novos petroleiros, do tipo Suexmax, com capacidade para um milhão de barris de petróleo, aumentam para doze os navios disponíveis na frota de transporte e comercialização de petróleo bruto.
Baptizados com os nomes de Sonangol Cazenga (homenageando um dos municípios históricos de Luanda), e Sonangol Maiombe (que distingue a segunda mais importante área florestal do mundo, em Cabinda), os dois navios foram construídos pela empresa DSME, da Coreia do Sul, nos estaleiros de Okpo, e apresentam várias inovações e tecnologia de ponta que se reflectem no desenho original e no desempenho
de navegação em alto mar.
De acordo com uma nota de imprensa da Songaol, estas características melhoram de forma significativa a eficiência das operações e colocam-nas em total respeito com as mais exigentes regulamentações ambientais do sector.
Para a presidente do conselho de administração da Sonangol, Isabel dos Santos, “a aquisição destes dois novos petroleiros está alinhada com a visão da nova Sonangol expressa no rigor e selectividade dos investimentos. O Cazenga e o Maiombe vão permitir que Angola, através da Sonangol, participe de forma activa, e lucrativa, no mercado internacional de Shipping!”.

Indústria petrolífera
avalia negócio em houston


O Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), com apoio da Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (Apex), promove, entre os dias 1 e 4 de Maio, mais uma edição do Pavilhão Brasil na Offshore Technology Conference (OTC), em Houston (EUA).
Conforme nota da organização, o espaço deve albergar 40 empresas e instituições nacionais que vão ao evento em busca de parcerias e novos negócios.
A Offshore Technology Conference (OTC) é realizada anualmente desde 1969.
O evento é considerado o mais importante do sector de óleo e gás no mundo. Nele, profissionais, especialistas e executivos de grandes empresas reúnem para apresentar e conhecer as inovações tecnológicas, além de discutir assuntos relevantes.
Este ano, a expectativa é que o evento atraia cerca de 2.300 expositores e participantes de pelo menos 100 países.
O Pavilhão Brasil é organizado pelo IBP na OTC desde 2000. Neste tempo, o espaço já acolheu mais de 120 empresas nacionais. Nos últimos anos, o Pavilhão Brasil adquiriu uma importância estratégica de fomentar a indústria nacional no exterior.
A nota reforça que entre as empresas brasileiras que vão expor no evento estão Actemium, Altona, AMT, Chemtech, Cladtek, Clark, Climb Offshore, CSL, Fechometal, Flexomarine, Forship, Frontec, HBR, Intelie, IPB, Locon, MFX, MRM, Navium, Netzsch, Nuclep, Oceânica, Ouro Negro, Petrec, PHDSoft, Presys, Polar Macaé, Radix, Rio Engenharia, Roxtec, Sandech, Senai Cimatec, Triunfo Logística, Underwater, Uphill, Vanasa Multigas, Villares Metals e Vinci Energies. Outras cinco farão demonstração de produtos e equipamentos. São elas: Oxifree, Powerpoxi, Sodep, Tecnofink e Tecnofink Services.