A venda de petróleo no mercado dos futuros por parte de Angola, de Janeiro até Maio, permitiu ao Estado uma arrecadação mensal estimada em mil milhões de dólares.
Conforme dados compilados pelo JE a partir das publicações mensais do Ministério das Finanças (MINFIN) sobre as vendas petrolíferas nacionais, até ao momento, foram vendidos mais de 230 milhões de barris de Brent, referência às exportações angolanas, das quais resultaram receitas estimadas em cinco (5) mil milhões de dólares/1,1 trilião de kwanzas.
Da leitura dos dados disponibilizados pelo Ministério das Finanças (MINFIN) na sua págia de internet, calcula-se que entre Janeiro e Abril deste ano, por via da exportação de 182,2 milhões de barris de petróleo, a economia angolana arrecadou uma receita de 934,9 mil milhões de kwanzas (3,9 mil milhões de dólares).
A manter-se este cenário, é possível depreender que Angola arrecade mais de 12 mil milhões de dólares como resultado das vendas só em 2018. Este desempenho era de todo positivo, pois além de garantir a execução normal do Orçamento também vai aliviar na diminuição da dívida pública e fazer crescer as Reservas Internacionais Líquidas do país.

Receitas de Maio
As operações de venda de petróleo angolano no mês de Maio deste ano garantiram uma arrecadação superior a 253,3 mil milhões de kwanzas (1,1 mil milhão de dólares). O preço médio do barril foi de 68 dólares, numa exportação de mais de 48 milhões de barris.
Em período homólogo (Maio de 2017), Angola comercializou mais de 50 milhões de barris só que ao preço médio de 50 dólares, totalizando daí uma receita estimada em 124 mil milhões de kwanzas (522 milhões de dólares à data.
Na paridade, nota-se que a subida da receita aproxima-se aos 100 por cento, contribuindo para isso os preços altos das vendas desse momento, contrariando as oscilações para baixo de há um ano.
Os analistas continuam a encarar o actual momento como sendo bastante positivo, porquanto o Orçamento Geral do Estado (OGE) 2018 foi elaborado com base na previsão do preço do petróleo a usd 50 por barril.

Consultora valida
regras nos petróleos

A consultora BMI Research, associada à Fitch Ratings, considerou, esta semana, que as novas regras fiscais aprovadas pelo Governo angolano para os investimentos no sector petrolífero podem influenciar de forma positiva os investidores que ainda estão indecisos em investir.
Os analistas escrevem que, “como as grandes empresas petrolíferas internacionais continuam a aplicar uma rigorosa disciplina orçamental e são mais rigorosas na escolha dos projectos, a capacidade de alavancar a infra-estrutura já existente deve funcionar a favor de Angola”.
A BMI Research conclui que acredita que “os investidores vão encarar os desenvolvimentos recentes, quer na economia angolana, quer na parte referente à Sonangol como passos positivos para melhorar o ambiente empresarial, particularmente os planos para pagar as dívidas atrasadas.