O barril de brent, petróleo referência às exportações de Angola, abriu na quarta-feira desta semana, em Londres, nos 51,52 dólares.

O valor representa uma queda ligeira, pois na terça-feira o barril esteve a ser encomendado ao preço de 52,17 dólares, contra os 51,13 de segunda-feira.
Nos últimos dias, a maior alta verificou-se bem no limiar da reunião de Viena da Opep, que decorreu na passada quinta-feira (25). Neste dia, o petróleo brent valorizou-se e posicionou as encomendas para Agosto nos 54,46 dólares, o que ocorria semana depois de a commoditie ter chegado aos 47 dólares por barril.

Indicações dos futuros
Os dados dos contratos futuros do petróleo divulgados pelas praças financeiras situavam um fecho em queda, na terça-feira (30), em meio a dúvidas ainda persistentes sobre o efeito prático da extensão do acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) que na Aústria decidiu-se pelo prolongamento dos cortes de 1,8 milhões de barris para aliviar os excedentes globais da matéria-prima, provocados, em grande parte, pelas reservas americanas.
Na Nymex, em Nova Iorque, o petróleo para julho fechou em queda de 0,28 por cento, a 49,66 dólares por barril. Já o brent para Agosto caiu 0,76 por cento, a 52,24 dólares por barril na ICE, em Londres.
A Opep e outros grandes produtores, incluindo a Rússia, anunciaram na quinta-feira a extensão do acordo de corte de produção para até Março de 2018, mas alguns traders e investidores estavam esperançosos de que o grupo prometeria cortes ainda maiores.
Logo, os preços recuaram.
“O mercado está a espera de uma outra surpresa”, segundo disse disse a directora de pesquisa de energia da Standard Chartered, Emily Ashford.
Desde a reunião, os preços de petróleo tiveram alguma recuperação, mas os participantes do mercado ainda seguem a sua avaliação sobre a longevidade do alcance das medidas adoptadas pela Opep e os parceiros fora do cartel.
Por seu lado, os analistas do Goldman Sachs, instituição norte-americana especializada no acompanhamento as transacções dos futuros, reduziram a estimativa para os preços do petróleo, neste ano, e indicam como previsão uma média de 52,92 dólares por barril na Nymex ante 54,80, na estimativa passada. Os analistas dizem que os contratos futuros do petróleo têm de cair ainda mais para desacelerar o aumento da produção de Xisto nos EUA, que preocupa investidores, segundo informações disponibilizadas pelo Dow Jones Newswires.
Um barril de petróleo é um recipiente com capacidade para armazenar 158 litros. No mercado mundial, duas são as praças de transacções, designadamente Nova Iorque (Nymex/Crude) e a de Londres (brent).