O lucro da Total atingiu os 7.610 milhões de dólares (6.544,4 milhões de euros) nos nove meses deste ano, mais 35 por cento face a igual período do ano passado, devido, nomeadamente, à subida do preço do barril petróleo, anunciou a AFP.
Para este aumento do resultado líquido também contribuiu a produção própria de petróleo por parte da petrolífera francesa, refere em comunicado.
Mas o principal parâmetro para esta evolução foi o aumento do preço médio dos hidrocarbonetos em 22 por cento, em dólares, na comparação com idêntico período de 2016, em 24 por cento no caso do brent e em 17 no gás.
Além disso, a produção de hidrocarbonetos da Total aumentou 4 por cento, para cerca de 2,55 milhões de barris por dia, em média, nos primeiros nove meses deste ano, face a igual período do ano passado.
O resultado operacional líquido da multinacional atingiu os 8.577 milhões de dólares (7.376,5 milhões de euros), menos 27 por cento que em igual período do ano passado.
O presidente da Total, Patrick Pouyanné, considerou que os resultados alcançados no III trimestre “tiraram partido de uma envolvente mais favorável graças à eficiência do modelo integrado (da companhia) e da sua estratégia”.
Numa outra perspectiva, a maior companhia de petróleo da Rússia, Rosneft, concordou, há dias, em adquirir o controlo do principal oleoduto do Curdistão iraquiano, impulsionando os seus investimentos na região autónoma para 3,5 mil milhões de dólares.
A Rosneft disse que poderia deter 60 por cento do oleoduto, com o operador actual KAR Group respondendo pelos 40 restantes.