As empresas petrolíferas que actuam no sector têm dado grande contributo na solução de problemas locais das províncias onde estão sedeadas, com maior relevo para Luanda, a capital política e económica, onde estão implantadas em boa maioria.
Na apreciação do ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, feita durante a sua intervenção no Conselho Consultivo, que decorre desde ontem e tem o seu termo previsto para hoje, o seu sector é dos mais activos na economia, actualmente, uma vez que as receitas de exportação e fiscais representam parte significativa do Produto Internio Bruto (PIB), do OGE e contribuem para o crescimento e a almejada estabilização económica do país.
Sobre o tema escolhido no Conselho Consultivo, “Recursos Minerais e Petróleos, ao serviço do crescimento económico e social de Angola”, diz corresponder aos novos tempos e à dinâmica que o Presidente da República tem vindo a imprimir nos vários domínios, com particular destaque para o sector dos minérios e dos petróleos.
“Este sector continua a desempenhar um papel relevante na economia do país e apesar da crise que hoje vivemos, influenciada pela baixa acentuada do preço do petróleo no mercado internacional, as empresas deste ramop mantêm-se em funcionamento e os sinais de recuperação económica começam a ser positivos”, disse
Por outro, lembrou que as recentes visitas à França e à Bélgica criaram mecanismos que vão impulsionar o crescimento do sector.