A nova campanha agrícola 201772018 foi aberta. Desde logo, são enormes as expectativas dos “homens da enxada” e autoridades governamentais e tradicionais. A rubrica “A voz do cidadão” saiu às ruas do Lubango (Huíla) e de Luanda, onde entrevistou entidades, cidadãos comuns e homens com foco no campo.
O vice-governador da províncial da Huíla para o sector Económico, Sérgio da Cunha Velho, disse que para a nova campanha agrícola, o Executivo disponibilizou mais de 6 mil charruas já distribuídas aos camponeses desta parcela do território.
“À semelhança das sementes e charruas, a Huíla, por intermédio do departamento provincial das Estações de Desenvolvimento Agrário (EDA), distribuiu também quantidades elevadas de fertilizantes, casos de adubo e amónio para tornar mais rentável o novo período agrícola 2017/2018”.
O soba grande da Huíla, Joaquim Huleipo, está confiante no êxito do novo período agrícola. Segundo ele, o Governo está preocupado em acabar com a fome e a pobreza, pelo que o desiderato passa, essencialmente, na produção de alimentos em grande escala.
Já para o soba do município do Cuvango, Adão Cambinda, o exemplo positivo demonstrado pelo Presidente da República, ao efectuar a abertura da campanha agrícola 2017/2018, é sinal motivador para que todos participem na produção de alimentos em grande escala.
Já o investigador em medicina tradicional na Huíla, Miguel Catengue, disse que a fome só pode ser combatida com a participação de todos e, sobretudo, com a criação de incentivos e maiores investimentos no campo.
Por outro lado, Abel Massuno, munícipe do Lubango, acredita que o Governo aumentou os apoios aos camponeses e, desde logo, é normal que se espere por bons resultados no que diz respeito à presente campanha agrícola aberta no Huambo.
Nas ruas de Luanda encontramos três jovens com áreas de conhecimentos distintas, mas com todos com o sentimento comum de que a agricultura deve voltar a ser a base do nosso desenvolvimento, para que a indústria assuma o seu papel de factor decisivo. Todos aguardam com altas expectativas o que se poderá colher da presente campanha agrícola 2017/2018.