O Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações e Substituição de Importações (PRODESI) foi apreciado na passada quarta-feira, em Luanda, durante a 1ª sessão ordinária da Comissão Económica do Conselho de Ministros.
O foco do programa é aligeirar a diversificação da produção nacional, por via da aceleração do fomento de fileiras exportadoras em sectores não petrolíferos e com potencial de substituição de importações.
O comunicado de imprensa da reunião refere que entre as fileiras com potencial de substituição de importações estão a dos bens alimentares, agro-indústria, recursos minerais, petróleo/gás natural, têxteis, vestuário, calçado bem como turismo e lazer.
Neste domínio, sob orientação do Presidente da República, João Lourenço, a Comissão Económica recomendou a realização de um processo de auscultação ao sector empresarial privado, a fim de se obter contribuições adicionais ao programa, para assegurar o seu êxito.
No âmbito da dívida pública, o encontro analisou um memorando sobre a reavaliação da estratégia de regularização da dívida pública interna titulada, visando reduzir o esforço de gestão da Conta Única do Tesouro (CUT), no que toca ao serviço da dívida nos próximos anos, e garantir a sua sustentabilidade.
A par da competitividade dos diversos agentes económicos, o documento prevê que se estabeleçam mecanismos de eficiência na alocação dos factores de produção e na distribuição de bens e serviços, sem perder de vista o estágio de desenvolvimento da realidade angolana.

Auscultar empresários
O Ministério da Economia e Planeamento prevê realizar, a partir da próxima semana, vários encontros de auscultação com empresários ligados ao sector privado nacional, a fim de obter contribuições adicionais para o Prodesi, anunciou, o titular da pasta,
Pedro Luís da Fonseca.
A intenção é colher contribuições da comunidade empresarial do país, tendo em conta a importância do sector na implementação do Prodesi.