As empresas que operam no sector dos petróleos sob licença da Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (SONANGOL E.P) desde o início deste ano que estão obrigadas a observar as quotas de produção fixadas, face ao compromisso de Angola em reduzir a sua oferta para o mercado em 1.673.000 barris de petróleo bruto por dia.
Esta medida, que resulta do acordo entre os países membros da Opep, rubricados a 30 de Novembro do ano passado, visa reduzir a produção de petróleo bruto de 33.7 milhões para 32.5 milhões de barris por dia com o intuito de aumentar o preço do barril de petróleo bruto no mercado internacional. O corte de produção diária para Angola, segundo fez saber a petrolífera estatal Sonangol, é de 78 mil barris em relação ao valor de referência considerado pela Opep que é de 1.751.000 barris por dia.

Instrutivo
Nesta perspectiva, e segundo um comunicado que publicado pela Sonangol, a empresa que detém a licença do mercado nacional instruiu, formalmente, os diferentes operadores do sector dos petróleo a actuar em Angola sobre os limites de produção mensais por concessão, baseado no potencial de produção actual de cada uma delas e a programação de intervenções nas mesmas.