Um projecto pecuário e de exploração avícola, denominado “Suavi Caboxa”, foi lançado na passada segunda-feira, em Caxito, na unidade penitenciária do Caboxa, município do Dande, província do Bengo.
Instalado numa área de 66 hectares, o projecto lançado pelo secretário de Estado do Interior, José Bamóquina Zau, prevê formar, reabilitar e ressocializar os reclusos, e terá uma capacidade de produção anual de 16 mil cabeças de suínos, 100 mil galinhas poedeiras, 32 milhões 613 mil 549 ovos, bem como 3.590 toneladas de ração/hora para o auto-consumo.
O projecto, que inseriu numa primeira fase mais de 150 reclusos, no âmbito do programa de reinserção social denominado “Formar, produzir para Reabilitar”, contempla uma área com capacidade de abate diário de 60 animais, 1.835 toneladas de carne suína/ano, bem como uma zona de armazenamento em câmaras frigoríficas de 340 cabeças de gado suíno.

Investimento

Orçado em cerca de 12 milhões de dólares norte-americanos, o projecto já consumiu três milhões na primeira fase, conta com um financiamento do Governo alemão com a parceria da Caixa de Providência Social (CAPRÓS S.A) do Ministério do Interior.
Em declarações à imprensa, o secretário de Estado do Interior, José Bamóquina Zau, afirmou que para além da produção de galinhas poedeiras, o lançamento do projecto Suavi Caboxa, visa ainda relançar a produção da carne suína, uma componente muito procurada a nível do país que permitirá a autossustentação dos órgãos do Minint.
Realçou que a inserção de maior número de reclusos no processo produtivo, contempla um estímulo (vencimento) que está previsto
à luz da lei penitenciário.

Imputes agrícolas

Na ocasião, José Bamóquina Zau procedeu a entrega de um tractor com respectivas alfaias, uma motobomba potente, 50 sacos de fertilizantes diversas, sementes, instrumentos agrícolas (catanas e enxadas) e outros meios para o incremento da produção.
Com uma área de 84 hectares para a agricultura, a cadeia alberga detidos e presos em cumprimento de penas.
O secretário de Estado do Interior, pediu a direcção da cadeia do Caboxa para uma boa gestão dos meios, por forma a garantir a sua durabilidade.
Por seu turno, o director do estabelecimento penitenciário do Caboxa, subcomissário António Correia Moço disse sentir-se satisfeito, com a entrega dos meios que há muito tempo o centro de produção agrícola clamava e ajudarão no aumento da produção, nesta fase que se aproxima o período de produção de hortícolas.
Inaugurada em 2010, a cadeia do Caboxa construída por uma empresa chinesa, orçou aos cofres do Executivo angolano 15 milhões de dólares, incluindo o seu apetrechamento, sistema de vídeo vigilância (controlo electrónico), de captação de água e de energia eléctrica.
A cadeia conta ainda com um posto médico e oito salas de trabalho, tais como a de recursos humanos, informação e análise, reeducação penal, controlo penal, logística e produção. O Estabelecimento Penitenciário do Caboxa tem capacidade
de internar 1.062 reclusos.