O anúncio do vencedor do Concurso Público Internacional de Investimento Privado para a Construção de uma Refinaria de Petróleo no Soyo, província do Zaire, acontece em 31 de Março de 2020, conforme deliberação recente do ministério.
No seu novo programa, que prolonga o concurso previsto, inicialmente, para encerrar a 18 deste mês, e isso fruto de inúmeras solicitações de interessados, o Ministério dos Recursos Minerais e Petróleo (MIREMPET) fez saber também que a análise das propostas submetidas acontece nos dias 5 e 6 de Março. Já a submissão de propostas deve ser feirta até 30 de Janeiro e a abertura das mesmas no dia seguinte.
Esta semana, o ministro Diamantino Azevedo fez saber que 80 por cento dos derivados consumidos pelo país são importados, posição que se quer inverter no mais curto espaço de tempo.
Na abertura do IV Conselho Consultivo Ministério, que decorre em Cabinda sob o lema “Competitividade, transparência e eficiência no sector dos Recursos Minerais e Petróleos, Remodelação e Modernização”, afirmou que o sector está a trabalhar para dar outro alento às políticas de hidrocarbonetos e minerais no país.
“A construção de refinarias nas cidades de Cabinda, Soyo e Lobito, bem como a triplicação da capacidade de refinação de Luanda, entre outras acções, vão reduzir as despesas e a contínua importação de derivados do crude”, disse.
Apesar de ser o segundo maior produtor de petróleo a Sul do Sara, com uma média diária de 1,4 milhões de barris, Angola importa 80 por cento dos derivados do ouro negro, daí a aposta na construção de três novas refinarias e a ampliação da de Luanda.
O Executivo pretende, com os concursos, apoiar o desenvolvimento da fileira de petróleo e gás através do aumento da capacidade nacional da refinação e da expansão das indústrias de derivados de Petróleo em condições de competitividade, garantido a auto-suficiência do país nesses produtos.
No período de Junho a Outubro deste ano, de acordo com dados disponíveis na página de internet do Ministério das Finanças, Junho e Setembro com 43,8 e 41,8 milhões de barris/dia foram os meses em que maior cifra diária se produziu e importou. O preço médio do barril nos referidos meses de maior produção foi de 55,1 e 53,4 dólares.

GemCorp aplica usd 500 milhões na Refinaria

ara operacionalizar a Refinaria de Cabinda, no período 2019-2021, a GemCorp, empresa escolhida pelo accionista Estado, deverá aplicar um investimento global de 500 milhões de dólares (90%).
Nesta primeira fase do projecto, espera-se o processamento de 30 mil barris/dia (gasóleo e gasolina), além, de um total de 2.000 postos de trabalho.
O programa deste empreendimento, que deverá ser instalado na região de Malembo, em Cabinda, prevê para a segunda e terceira fases um processamento de outros 30 mil barris/dia e a criação de outros 1.500 empregos.
Esta semana, à margem do Conselho Consultivo do sector, que Cabinda acolheu, técnicos da GEMCORP apresentaram o projecto, testemunhado pelo ministro dos Recursos Minerais e Petróleos, Diamantino Azevedo, e o governador de Cabinda, Marcos Nhunga.
Segundo disseram, o arranque dos trabalhos de estudo dos solos tiveram início este mês de Dezembro na planície de Malembo, prevendo a conclusão da primeira fase, das três projectadas, em 2021, com a refinação de 30 mil barris dia. Na segunda, com a refinação de outros 30 mil barris dia de crude, está previsto para 2023, já com a produção do derivado Nafta, que vai dar origem na refinação de cerca de 14 mil barris para gasolina.