Angola tem potencial para constar da lista dos 10 maiores produtores mundiais de gás, posição que torna fundamental e estratégica a sua produção, reservas e exportações para o Continente Africano em si.
Ao que se soube na recém-terminada conferência “Angola Oil & Gas 2019”, que Luanda acolheu, embora mantenha um perfil de importador de refinados e outros derivados, mesmo considerando o seu potencial de líder na produção continental.
As reservas comprovadas de gás natural de Angola rondam os 4,0 bilhões de pés cúbicos (113,2 mil milhões de metros cúbicos).
Apesar de todo este potencial, de momento, o único projecto de exploração de depósitos de gás natural existente no país é o da Angola LNG, no bloco 14, que começou a operar em 2013 com uma previsão de exploração de 30 anos.
A Angola LNG é um projecto integrado de aproveitamento de gás natural, dispondo de uma fábrica de processamento, um terminal marítimo e instalações de carregamento, bem como a possibilidade de proceder ao desenvolvimento de gás não associado.
A fábrica de processamento e liquidificação de gás natural da Angola LNG fica localizada no Soyo, província de Cabinda, dispondo de uma capacidade instalada de 5,2 milhões de toneladas por ano.
As maiores reservas provadas de gás no mundo estão na região do Médio Oriente e calcula-se que venham a ser exploradas