O preço do barril do petróleo brent, referência às exportações angolanas, iniciaram esta semana (segunda-feira) em alta no mercado de Londres ao cotar a 53,55 dólares, contra os 53,03 com que fechou a secção de

sexta-feira, 31 de Março.
Na sessão de quarta-feira (6), o preço do barril de brent fixou-se nos 54,69 dólares, atingindo, desta forma, a fasquia do início do ano quando o petróleo começou a escalada para níveis de alta até então pouco esperados pelos
especialistas e produtores.
Em Fevereiro e Março, os preços mostraram-se bastantes instáveis, depois de os Estados Unidos da América terem anunciado o aumento das suas reservas e início de novas
explorações de Xisto.
Em resposta, a Organização de Países Exportadores de petróleo (OPEP) confirmara a continuidade do processo de redução da oferta do cartel, um a decisão que controu com o apoio de parceiros importantes como é o caso da Rússia que é actualmente o maior produtor mundial de petróleo.
Ainda assim e apesar de reconhecimento ao excelente momento das negociações petrolíferas nos pregões, os níveis de reservas dos Estados Unidos preocupam, pois mostram-se cada vez mais em alta.

Reservas
As reservas de petróleo dos Estados Unidos da América (EUA) subiram de forma surpreendente da semana passada para esta, tendo batido outro recorde, de acordo com os dados do Departamento de Energia (DoE)
publicados na quarta-feira.
Até a última semana de Março, as reservas comerciais de petróleo americanas subiram em 1,6 milhão de barris (mb), e atingiram 535,5 milhões,
um nível não registado antes.
Todo este cenáruio de recuperação e superação das expectativas ocorreram quando os analistas da agência Bloomberg esperavam um recuo de 150 mil barris. Já os estoques de gasolina caíram 600 mil barris, menos do que o esperado pelos especialistas da Bloomberg, que estimaram 1,75 mb. Os produtos destilados tiveram, po sua vez, uma queda de 500 mil barris, enquanto a previsão era de um milhão de barris a menos.
Deste modo, volta a pairar um cenário de incerteza nos preços dessa commodity.