A emissão de Bilhetes do Tesouro a 1 ano efectuada, recentemente, pelo Governo, através da Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA), fixou a taxa de juros em 16,8 por cento a 1 ano, a mais baixa desde Fevereiro de 2016.
De acordo com dados a que o JE teve acesso, a taxa a 12 meses manteve-se perto dos 24 por cento durante todo o ano de 2017 e em parte de 2018, tendo diminuído a partir de Maio de 2018, para níveis próximos dos 18-19 por cento.
Este ano, têm-se registado diminuições consecutivas das taxas em cada emissão de BT, a 3 meses, 6 meses e 12 meses. Porém, parte dessa descida poderia ser atribuída ao facto de o Tesouro estar agora a adoptar uma estratégia de reabertura de linhas com a mesma maturidade; nesse sentido, a emissão deste BT a 12 meses em nova linha, com maturidade em Maio de 2020, veio consolidar a tendência de descida de taxas.
Do lado das Obrigações do Tesouro, esta tendência ainda não se verificou, mas é expectável que tal aconteça ao longo do ano.
As referidas emissões ocorreram numa altura em que a consultora Fitch considerou que as reformas lançadas pelo Governo angolano vão colocar o país em bom plano a médio e longo prazo, alertando, no entanto, para alguns riscos de instabilidade social a curto prazo.
Numa nota sobre Angola a médio e longo prazo, enviada aos clientes e a que a agência Lusa teve acesso, estes analistas do mesmo grupo que tem também a agência de rating Fitch dizem que esta “potencial perturbação social” pode aumentar a incerteza dos investidores sobre a direcção política.
Tudo isso deu-se num momento em que, nos mercados internacionais, o Brent negociou durante a semana passada à volta dos 70,5 dólares.