A seis meses, a taxa Euribor, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno negativo pela primeira vez em 06 de Novembro de 2015, desceu hoje, para -0,272 por cento, novo mínimo de sempre e menos 0,001 pontos do que na quarta-feira.
A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de Abril de 2015, também desceu hoje, para -0,330 por cento, menos 0,001 pontos do que na quarta-feira e contra o actual mínimo de sempre, de -0,332, registado pela primeira vez em 10 de Abril.
A nove meses, a Euribor manteve-se inalterada, ao ser fixada de novo em -0,201 por cento, contra o actual mínimo de sempre, de -0,203, registado pela primeira vez em 14 de Junho.
Depois de ter sido fixada em valores negativos entre 27 de Novembro e 03 de Dezembro de 2015, a Euribor a nove meses voltou para níveis abaixo de zero em 7 de Janeiro de 2016, nos quais se tem mantido desde então.
No prazo de 12 meses, a taxa Euribor, que desceu para valores abaixo de zero pela primeira vez em 05 de Fevereiro de 2015, também se manteve ontem, em -0,161 por cento, actual mínimo de sempre, verificado pela primeira vez em 21 de Junho.
As Euribor são fixadas pela média das taxas às quais um conjunto de 57 bancos da zona euro está disposto a emprestar dinheiro entre si no mercado interbancário.
Por outro lado, de acordo com a análise da Schroders, matérias-primas como o petróleo não foram uma boa aposta de investimento nos últimos 14 anos, enquanto as acções mantêm a posição de activo com melhor desempenho.
Segundo estudos da Schroders, que compara a rentabilidade de seis tipos de investimento diferentes, as acções tiveram um percurso contrário às matérias-primas e foram o único activo que fez perder dinheiro.