Esta medida deve permitir “reduzir os ‘stocks’ de petróleo ao seu nível médio dos últimos cinco anos e sublinha a determinação dos produtores de garantir a estabilidade, a previsibilidade e o desenvolvimento duradouro do mercado”, segundo a mesma fonte.
Moscovo e Riade vão consultar os outros países produtores de petróleo antes de 25 de Maio para “alcançar um consenso completo” sobre um prolongamento de nove meses do acordo de redução de produção, diz o comunicado. Os países membros da Opep concordaram em novembro reduzir a produção em 1,2 milhões de barris por dia, por um período de seis meses a começar no início de Janeiro deste ano de modo a favorecer a subida dos preços.
Contudo, na quarta-feira (17), a Agência Internacional de Energia (AIE) afirmou que a possível extensão de cortes na produção de petróleo poderá não ajudar a reduzir os estoques globais da commodity para os níveis desejados. No seu relatório mensal, a agência informou que os estoques dos países mais industrializados diminuíram cerca de 1 milhão de barris por dia (bpd) em Março, mas que ainda há muito trabalho a ser feito na segunda metade do ano. Preocupações com a produção dos Estados Unidos voltaram ao radar nesta terça-feira.
As perdas foram limitadas porque o mercado continua a digerir a declaração conjunta da Arábia Saudita e da Rússia.