O Banco Africano de Exportações e Importações (Afreximbank) já desembolsou 15 mil milhões de dólares dos 25 mil milhões que tem disponíveis no prazo de cinco anos, anunciou quarta-feira o presidente desta instituição financeira multilateral.
“O banco está a honrar os seus compromissos no apoio à implementação do tratado de comércio livre em África”, disse Benedict Oramah, na abertura do “África 2019: Fórum de Investimento em África”.
Na intervenção, o banqueiro salientou que já foram disponibilizados 15 mil milhões de dólares, dos 25 mil milhões de dólares que a instituição planeia desembolsar no plano quinquenal de apoio ao comércio entre os países africanos.
Em breve, anunciou, o Afreximbank vai começar a implementar o Sistema de Pagamentos e Acertos Pan-Africano para permitir que o comércio entre vários países africanos seja feito na moeda local de cada um, diminuindo os altos custos dos pagamentos internacionais.
Além deste sistema, o presidente do Afreximbank salientou também a construção de um portal de informação comercial, que será lançado ainda este ano, para melhorar o conhecimento dos parceiros comerciais, e o desenvolvimento de parques industriais em vários pontos do continente.
Num discurso, onde passou em revista não só os principais acontecimentos, mas também os próximos eventos destinados a fomentar o comércio intrarregional, Benedict Oramah salientou a realização da segunda Feira de Comércio Intra-Africano, em Setembro do próximo ano, em Kigali, na qual se esperam mais de mil expositores, cinco mil visitantes para potenciar um mercado de 1,2 mil milhões de pessoas.
A zona de livre comércio em África permitirá criar o maior mercado do mundo, uma vez que envolverá os 55 Estados-membros da União Africana, PIB acumulado a ascender a 2,5 biliões de dólares, sendo que apenas 16% do comércio dos países africanos é feito no continente.
A ZLEC inscreve-se no quadro de um processo que, até 2028, prevê a constituição de um mercado comum e de uma união económica e monetária de África.