Mais de 11 000 delegados e 400 expositores participaram num dos maiores eventos de tecnologia, telecomunicações e mídia de África, que decorreu na Cidade do Cabo, África do Sul.
Denominado AfricaCom, o evento anual pan-africano que vai na sua 20ª edição, foi uma montra das inovações em tecnologias de informação e acolheu várias discussões de alto nível sobre como acelerar a revolução digital africana.
O Centro de Convenções Internacional tradicional da Cidade do Cabo (CTICC) acolheu até esta quinta-feira o evento que, nas últimas duas décadas, passou a ser um certame exclusivamente centrado em telecomunicações para um show de comunicações digitais mais amplo que agora hospeda o principal grupo de influenciadores envolvidos em todos os aspectos do ecossistema digital africano.
“2017 é um marco para a ÁfricaCom”, explicou Tom Cuthell, director de portfólio da KNect365, o organizador do evento, antes da edição do marco. A cimeira cresceu a passos largos desde que foi lançada na cidade costeira como GSM África em 1997. “Nas duas últimas décadas, passamos de ser um evento puramente de telecomunicações, para um amplo programa de comunicação digital que agora hospeda o principal grupo de influenciadores envolvidos em todos os aspectos do ecossistema digital africano “, disse Cuthell.
O vice-ministro das Telecomunicações e Serviços Postais da África do Sul, Stella Thembisa Ndabeni-Abrahams, Tjekero Tweya, o Ministro da Tecnologia da Informação e das Comunicações da Namíbia, bem como o Ministro das TIC, Serviços Postais e de Correios do Zimbabwe, Supa Mandiwanzira, foram alguns dos dignitários no evento.
O secretário-geral da Organização das Telecomunicações da Commonwealth, Shola Taylor, esteve entre os palestrantes. Entre as empresas mais proeminentes do evento, destacam-se a Huawei, empresa multinacional de equipamentos e serviços de redes e telecomunicações chinesas, que marcou o tom com o lançamento da sua série de smartphones Mate 10 na África do Sul.
O presidente da Huawei Technologies para a região da África Austral, Li Peng, disse que a empresa estava ansiosa para trabalhar em conjunto com líderes da indústria, parceiros e partes interessadas para explorar as tendências e inovações que estão a moldar um “mundo melhor conectado “.
“O mundo está a evoluir à velocidade da luz. Nos últimos anos, a transformação digital tem sido o principal tópico no sector de TIC, com operadores, empresas e parceiros no mercado africano enfrentando desafios e oportunidades”, afirmou Peng.
Huawei aborda como desenvolver um mercado emergente saudável e explorar estratégias para um novo crescimento orientado para o valor.
A capacidade e o potencial da Internet no continente esteve igualmente em destaque na AfricaCom 2017. Reconhecendo o papel que a Internet das Coisas desempenhará na redefinição do nosso mundo, especialmente em toda a África, os organizadores adicionaram uma faixa de conferência específica focada no assunto. “Por esta razão, criamos dois dias de conteúdo completamente provocador levado por falantes de classe mundial, com o objetivo de informar os delegados, mas também estimular o pensamento crítico quanto às possibilidades e limites de usar a Internet das Coisas para governar as perspectivas futuras, “Disse Cuthell.