A assembleia sobre a actividade de supervisão do desempenho do sector de turismo na Comunidade da África Oriental (EAC) deseja que conclua o Protocolo da EAC sobre gerenciamento de turismo e vida selvagem, bem como o fortalecimento de um “pool” dos avaliadores de classificação da EAC, para garantir eficiência e efectividade na classificação dos estabelecimentos turísticos.
No relatório, a assembleia também reitera a criação de um centro de intercâmbio de informações digitalizado e bem coordenado, para o avanço do mecanismo conjunto de vistos de turista, mais uma tentativa de atrair turistas para a região. Mary Mugyenyi, que apresentou o relatório à Câmara, disse que era necessário que os Estados parceiros harmonizassem suas leis nacionais sobre turismo e sectores relacionados.
Solicita-se ainda ao Conselho de Ministros da EAC que acompanhe as repúblicas do Burundi e Sudão do Sul e a República Unida da Tanzânia, para ingressarem o sistema de visto único de turista da EAC.
De acordo com o relatório, a chegada de turistas na EAC aumentou de 3,5 milhões de pessoas em 2006 para 5,7 milhões de pessoas em 2017. No entanto, isso ainda é substancialmente baixo, uma vez que representa apenas 8,6% da participação de mercado na África e 0,3 da participação no mercado global. O turismo contribuiu para o Produto Interno Bruto dos Estados da EAC, em média, 8,8%, em 2017.
A contribuição percentual foi superior à média do Rwanda (12,7%), Quénia (9,7) e Tanzânia (9,0). O turismo contribui em média 18,8% para as exportações totais da EAC, embora a contribuição percentual tenha sido maior no Rwanda (30,5) e Tanzânia (26).