Os resultados do ano agrícola 2013/2014, em Cabo Verde, podem vir a ser “iguais ou ligeiramente superiores aos do ano passado”, apurou a agência noticiosa Panapress, na cidade da Praia. Segundo o coordenador do grupo Técnico Pluridisciplinar de Seguimento e Avaliação, Ledo de Pina, citando dados do Centro Regional de Agricultura, Hidrologia e Meteorologia (AGRHYMET) “a previsão é de um ano agrícola normal, em termos pluviométricos”.

Ledo de Pina adiantou que a campanha agrícola deste ano já está preparada e que todas as 12 delegações do Ministério do Desenvolvimento Rural (MDR), nos diferentes municípios do arquipélago, já elaboraram os respectivos programas de acompanhamento e assistência técnica para apoiar os agricultores e criadores de gado.

Preocupação
A grande preocupação do MDR dizia respeito às sementes, mas, explicou Ledo de Pina, como os últimos anos agrícolas, em Cabo Verde, têm sido razoáveis, existem “stocks” para o início da campanha agrícola 2013/2014, assim como materiais para garantir a luta biológica contra as pragas, caso se revele necessário.

Em todo o país, referiu, técnicos do MDR têm assegurado conselhos técnicos a agricultores sobre a altura em que devem fazer as sementeiras, mas que existe alguma preocupação em relação às queimadas nos terrenos com restos de milho e feijão, as quais têm resultado, muitas vezes, em incêndios de áreas agrícolas.

Primeiras chuvas
De acordo com Ledo de Pina, as primeiras chuvas deste ano são esperadas a partir de 28 de Julho até 12 de Agosto, como tem acontecido nos últimos 10 anos. As sementeiras vão de Junho a Agosto, se não houver nenhum “stress” que provoque perdas, podendo a “ressementeira” acontecer em Setembro próximo.

A campanha agrícola 2012/2013, em Cabo Verde, apresentou resultados positivos que se traduziram, nomeadamente, num aumento da produção do milho e de feijão, os dois principais produtos da agricultura de sequeiro no arquipélago. Esta conclusão consta de dados sobre a avaliação da campanha agrícola do ano passado, apresentados pelo Grupo Técnico Pluridisciplinar (GTP) da Direção Geral da Agricultura, Silvicultura e Pecuária (DGASP), em parceria com elementos do Comité Interestatal de Luta contra a Seca no Sahel (CILSS) e outros parceiros.

Os mesmos dados apontaram que a produção de milho, a nível nacional, teve um aumento de aproximadamente oito porcento
e a de feijão cerca de sete por cento.