Mais de 650 personalidades estrangeiras da aviação civil e 800 delegados das empresas da aviação civil do mundo participaram, esta semana, no Cairo, capital do Egipto, na conferência “Aviação África 2018”, anunciou a Airbus.
Falando à imprensa na passada segunda-feira, na capital egípcia, a directora de marketing da Airbus para o Médio Oriente e África do Norte, Grainne Van Den Berg, explicou que o evento será aproveitado para apresentar a nova geração de aviões que se caracterizam pelas suas estruturas amplas com um maior número
de assentos de 250 a 300.
Primeiro evento a cobrir toda a indústria aeronáutica em África, a “Aviação África 2018” permitiu realizar, durante dois dias, discussões e exibições em todos os aspectos da indústria da aviação (comercial, militar, negócios, infra-estruturas, segurança e regulamentação). Sob o alto patrocínio do Ministério egípcio da Aviação Civil, o evento enquadra-se na perspectiva da visibilidade do potencial do mercado da aviação civil no continente.
A companhia senegalesa Air Senegal será a primeira companhia a explorar este tipo de avião em África, devendo receber dois aviões de tipo
“A330 neo”, revelou Grainne Berg.
Sobre a frequência dos voos em África, ela indicou que os voos de e para o continente são susceptíveis de aumentar em 5,2 por cento anualmente até 2036, sublinhando que África necessitará durante os próximos 20 anos, de cerca de mil novos aviões (de passageiros e carga) orçados em cerca de 147 milhões de dólares americanos.
As importações da Airbus atingiram, em 2017, cerca de 67 mil milhões de euros e necessitaram da mobilização de 129 mil
trabalhadores em todo o mundo.