A capital mauritana, Nouakchott, albergou de 11 a 14 de Fevereiro de 2019, um colóquio sob o lema “Banca africana e economia digital”, noticia a Pana.
O evento foi organizado pelo Banco Central da Mauritânia (BCM), em colaboração com a Associação Mauritana dos Diplomados do Instituto Técnico de Banco de Paris (AMITB) e a Confederação Internacional das Associações de Diplomados do Instituto Técnico de Banco (ITB).
Reuniu líderes e quadros das instituições bancárias de vários países de África, nomeadamente, a Mauritânia, Marrocos, a Côte d’Ivoire, os Camarões e o Malawi, entre outros.

Reflexão profunda
Segundo os seus organizadores, o colóquio visou permitir uma reflexão sobre o tema que tem “uma grande incidência no futuro das nossas economias e dos nossos sistemas financeiros, particularmente a economia digital”.
“Hoje, estamos confrontados com um fenómeno internacional cujos efeitos mudam radicalmente os nossos modos de vida e de comunicação, o nosso tipo de organização e de gestão, suscitando novas necessidades e novos hábitos de consumo de todos os actores económicos, Estado, empresas e cidadãos”, explica o governador do BCM, Abdel Aziz ould Dahi, ressaltando os impactos da economia digital e da digitalização para a banca africana.
No programa do colóquio de Nouakchott, figuraram várias comunicações das quais se destaca “a problemática do financiamento da economia digital em África, avaliação, impactos da digitalização e perspectivas”.
“No centro da transformação digital bancária, o quadro regulamentar, bancário e digital, adequação com as necessidades dos operadores”, “Quadro jurídico da economia digital na África do Norte; Quadro legal da economia digital na zona CFA”, figuraram igualmente entre as comunicações.