O grupo Banco Mundial vai apoiar as reformas em Cabo Verde com 150 milhões de dólares (135 milhões de euros) nos próximos seis anos, segundo o Quadro de Parceria do País para 2020-2025 (CPF), divulgado na passada quarta-feira. De acordo com o documento, preparado pelo Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), Sociedade Financeira Internacional e Agência Multilateral de Garantia dos Investimentos, do grupo Banco Mundial, genericamente este financiamento será distribuído em apoio às metas, definidas pelo Governo cabo-verdiano, de instalar um ‘hub’ digital no país, bem como apoiar a reestruturação
das empresas estatais. O documento que suporta o acordo de parceria entre Cabo Verde e o grupo Banco Mundial, que substitui o que está em vigor, aprovado em 2014, prevê ainda o apoio financeiro — através do BIRD e pela Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA, na sigla em inglês). À implementação de políticas de desenvolvimento em Cabo Verde pretende “acelerar o capital humano para um crescimento inclusivo liderado por serviços e fortalecer o ambiente para uma economia mais
diversificada no arquipélago”. O documento acrescenta que o CPF para o período de 2020 a 2025 “apoiará a estratégia do Governo através de intervenções extremamente selectivas que incidem nos principais potenciadores de sectores específicos em que a potencial vantagem competitiva de Cabo Verde é a maior na região”, e para a qual o Grupo Banco Mundial apresenta “uma vantagem comparativa”.

Economia mais diversificada
São igualmente esperados, com esta parceria, resultados ao nível do reforço do ambiente para uma economia mais diversificada, incidindo em reformas estruturais contínuas e investimentos para atrair o investimento privado, promover o crescimento sustentado e construir conectividade, tanto física como digital. Neste caso, serão apoiadas medidas para uma melhor resiliência fiscal e macroeconómica; e fomentada a melhoria das bases para o crescimento estimulado pelo sector privado, refere o documento.
Actualmente, Cabo Verde conta com oito projectos financiados pelo IDA e pelo BIRD no valor total de 156 milhões de dólares (140,6 milhões de euros), distribuídos pelas áreas dos transportes, desenvolvimento humano, competitividade do turismo, acesso a financiamento para micro, pequenas e médias empresas e governança.