O presidente do BCE afirmou esta semana que a instituição avançará com estímulos adicionais, que podem ser decididos nas próximas semanas, nomeadamente, mais compras de activos e cortes adicionais nos juros, se a inflação não recuperar na zona euro.
“Se a crise mostrou alguma coisa, é que vamos usar toda a flexibilidade no âmbito do nosso mandato para o cumprir — e vamos fazê-lo novamente para responder a quaisquer desafios que se coloquem à estabilidade de preços no futuro”, garantiu Mario Draghi, ao discursar no Fórum do Banco Central Europeu (BCE), que decorre em Sintra.
O presidente do BCE frisou que, “na ausência de melhorias, de tal forma que o retorno sustentado da inflação rumo ao objectivo do BCE de ficar abaixo mas próximo de dois por cento esteja ameaçado, estímulos adicionais serão necessários”.
Mario Draghi disse também que ainda existe “espaço considerável” para mais compras de activos e acrescentou: “cortes adicionais nas taxas de juros e medidas de mitigação para conter quaisquer efeitos colaterais continuam a fazer parte das nossas ferramentas”.
No seu discurso de abertura dos trabalhos desta terça-feira do Fórum do BCE em Sintra, o presidente da instituição referiu ainda que o Conselho de Governadores do banco central decidirá “nas próximas semanas” se tomará novas medidas e adiantou que serão estudados todos os instrumentos disponíveis. “Não estamos resignados a ter uma baixa inflação”, assegurou.